Netflix
Netflix

Disponível na Netflix, ‘Divines’ flagra a França em convulsão

Premiado filme divide a crítica, mas não se pode negar sua força ao retratar a realidade cruel

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2017 | 03h00

Está disponível na Netflix o longa-metragem Divines, que ganhou, em fevereiro, três prêmios César (o Oscar do cinema francês) – melhor atriz coadjuvante, Deborah Lukumuena; atriz revelação, Oulaya Amamra; e melhor estreia de filme.

O filme já deu o Caméra d’Or, troféu para estreantes no Festival de Cannes, à sua diretora Houda Benyamina. Fala da periferia francesa e de uma geração de jovens que já não se conforma em ocupar lugar secundário (daí para baixo) na sociedade. Essa geração não quer revolução, nem pensa nisso. Quer Iphone, tênis de grife, glamour, roupas finas, enfim, todos os prazeres que o “fric” (grana) pode comprar.

O filme de Houda Benyamina dividiu a crítica francesa. Quem o amou fala de sua vitalidade, explosão, sinceridade, pulsão, humanismo. Quem o detestou cita sua direção fraca, exageros em alguns pontos, personagens pouco complexos. 

A severa Cahiers du Cinéma diz que, sob o pretexto do “cinema popular”, Divines cai na mesma confusão política de sua protagonista: reivindicando seu direito a gozar dos prazeres capitalistas, o filme identifica-se, em sua linguagem, às formas (cinematográficas) do poder. A Nouvel Observateur não é tão sutil e fala de “um objeto desesperadamente artificial e oportunista”. O comunista L’Humanité deu cinco estrelas (nota máxima) e chama o filme de “tão brutal quanto a própria sociedade”. O descolado Les Inrockuptibles o classifica como “Um primeiro ensaio de uma energia louca, desdobrada em um discurso político e social hábil. Um filme popular, no sentido pleno do texto, combativo e emancipador”. 

Divisões não faltam, como se vê, o que lança a hipótese de Divines ser um objeto tanto paradoxal como estimulante. 

E, de fato, como se posicionar diante da protagonista, a rebelde Dounia (Oulaya Amamra), com sua insatisfação social profunda e sem rumo? A garota atira para todos os lados. Sofre com a mãe alcoólatra e desconta na professora, quase tão pobre como ela. Um dos momentos fortes do filme se dá quando ela afronta a mestra e a trata como fracassada, em seu conformismo com o salário de 1.500 euros e obrigada a conviver com alunos como ela própria. Difícil simpatizar com Dounia neste momento.

O desafio para o espectador será encontrar empatia para seguir seus passos quando resolve trabalhar para a traficante local, Rebecca (Jiska Kalvanda), e assim conseguir toda a grana de que se sente merecedora. Dounia tem uma amiga fiel, Maimouna (Déborah Lukumuena), que a segue e lhe dá suporte emocional. O filme mergulha, pelo lado feminino, nessa França profunda das periferias, das comunidades árabes e de negros, esquecidas pela elite branca e que por certo se encontram no radar racista dos seguidores de Marine Le Pen. A França das “nos chères têtes blondes” (nossas queridas cabecinhas loiras) despreza essa mistura racial e a confina aos bairros periféricos. Acontece que, como todo reprimido, este também tende a explodir. A protagonista Dounia apenas expressa esse petardo de efeito retardado.

No fundo, à sua maneira direta e catártica, Divines reflete sobre o ar do tempo, em que as utopias políticas se foram, mas nem por isso refluiu a insatisfação com os rumos do mundo. Digamos que é precisamente o contrário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.