Discovery se rende ao trânsito de São Paulo

Canal pago estréia 'Soluções para o Trânsito', que sugere projetos de sucesso para driblar o caos

Alline Dauroiz, O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2008 | 22h51

Free Way, aerotrem, Fura-Fila, ampliação do rodízio... Ao longo dos anos, as promessas para melhorar os engarrafamentos de São Paulo são tantas que, em época de eleição, fica difícil decidir qual idéia mirabolante seria realmente eficaz. Para apimentar a discussão de um dos temas mais citado nos recentes debates políticos, o Discovery Channel estreou no domingo, 28, às 21 horas (com reprise na sexta-feira, às 22h), o documentário Soluções para o Trânsito. Quem assina a obra é a produtora brasileira Mixer, com direção de Rodrigo Astiz, roteirista que já fez documentários para o canal pago.E foi justamente dentro de um táxi, em um dia de megacongestionamento que a idéia nasceu. Há pouco mais de um ano, o gerente geral da Discovery Networks no País, Fernando Medin, precisava ir da Vila Olímpia, na zona sul, à Avenida Paulista, no centro, trajeto que demoraria cerca de 20 minutos. "Fiquei duas horas parado no trânsito e comecei a pensar: ?trabalho em uma empresa de conteúdo, tenho que fazer alguma coisa?", explica Medin. E foi então que começou a escrever o esboço do roteiro.A idéia é mostrar que existe solução e, para tanto, a equipe buscou projetos que deram certo em Curitiba, Bogotá, Cidade do México e Londres. Ao comparar as ruas congestionadas com artérias entupidas, o documentário trata os engarrafamentos como doença contagiosa, que se espalha à medida que 900 novos carros entram em circulação diariamente na cidade, de acordo com dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).Em 43 minutos, o filme retrata a evolução do trânsito em São Paulo, desde a época em que se pegavam bondinhos, à popularização dos ônibus e dos carros que, quase sempre, carregam apenas um passageiro. Tudo, com ajuda da computação gráfica, em imagens de satélite e tecnologia 3D.

Mais conteúdo sobre:
Discovery

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.