TV Globo/Divulgação
TV Globo/Divulgação

Didi vai lançar filme para televisão com efeitos em 3D

'Didi e o Segredo dos Anjos' estreia na Globo no dia 21 

João Fernando, O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2014 | 15h38

RIO- Se antes bastavam as piadas para entreter as crianças, Didi Mocó agora também terá o reforço de efeitos em 3D. Em uma projeção cheia de computação gráfica, Renato Aragão apresentou à imprensa, , na manhã desta quinta, 4, o telefilme Didi e o Segredo dos Anjos, que estreia dia 21 na Globo. "Eu me senti um ator de cinema, realizado", declarou o comediante, que acumula milhões de espectadores do cinema há mais de três décadas.

A trama gira em torno de uma missão que Didi recebe da deusa Soláris, interpretada pela cantora Anitta. O protagonista fica responsável por manter aberto um portão de comunicação entre os anjos e os moradores do plano terreno. Para isso, precisa convencer o amigo Miguel (Jayme Matarazzo) a usar os poderes de um medalhão herdado do avô.

Apesar da história com cara de fábula, o telefilme tem cenas de ação, com lutas e perseguição de carros. "Eu já tinha a ideia de um filme sobre anjos. Mas é difícil colocar fé, segredo, ação e humor em um longa. A gente tem de atender às crianças e aos pais da crianças. E, hoje, as minhas crianças são vocês", explicou, referindo-se aos jornalistas.

Sem ter uma atração fixa na TV desde o fim do Turma do Didi - que saiu do ar no anoa passado, com baixa audiência , o humorista afirma querer projetos pontuais. "Não quero mais saber de semanal. Senão, não posso fazer meus filmes. Quero minisséries, coisas mais elaboradas. Vim do Ceará para fazer cinema", disse ao Estado.

Aos 79 anos, Renato Aragão conta não ter planos de parar. No começo deste ano, ele foi internado após um enfarto. "Nunca pensei que fosse ter um problema de coração, pois eu me cuido. Tive de colocar stents. O médico falou que me daria mais 70 anos de vida. Falei para ele dar metade para mim e o resto para quem está precisando", brincou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.