GUTO COSTA/DIVULGAÇÃO
GUTO COSTA/DIVULGAÇÃO

Decadência vira piada no Multishow

Luiz Fernando Guimarães é Eleonora, dona de salão em Copacabana, em 'Acredita na Peruca'

Cristina Padiglione / RIO, O Estado de S. Paulo

17 de maio de 2015 | 11h00

É olhar para a cara de Luiz Fernando Guimarães travestido de Eleonora e afrouxar o riso. Sua figura como a dona de um salão decadente na não menos decadente Copacabana é um convite à comédia que quase dispensa texto. Mas o texto logo se impõe e torna a personagem ainda mais engraçada. Eleonora é o eixo central de Acredita na Peruca, comédia de situação que estreia na segunda, 18, no Multishow, com 20 episódios de segunda a sexta, às 22h30. O Estado testemunhou um dia de gravação da série, no Teatro Bloch, no Rio.

Cada episódio demanda pelo menos dois dias de expediente – um para leitura, ensaio e marcações, e outro com a gravação de duas sessões. A primeira apresentação é gravada sem a presença de público, e até certo ponto corrigida diante de cada erro, mas, a segunda, gravada com plateia, não abre muitas brechas para regravações. O erro, como acontecia no Sai de Baixo, vira lucro para o espetáculo.

“Eu desconcentro e concentro de novo, a Eleonora é muito centralizadora”, diverte-se Luiz Fernando, ao comentar o fato de os colegas perderem a concentração com frequência, ao darem de cara com aquela figura de 1,88 m, em trajes femininos e peruca. Eleonora, explica o ator, gosta de pantalonas, roupas largas. “Ela não é de usar saia, não é dela”, explica, como se a personagem tivesse vida própria. “Quando cheguei aqui, queriam me botar peito, bunda, eu disse ‘não’, isso vai virar um carro alegórico.”

A série é fruto do monólogo O Impecável, texto de Charles Möeller que Luiz Fernando levava aos palcos, personificando os sete pecados capitais. Charles e Cláudio Botelho assinam agora a direção-geral de Acredita na Peruca, tendo Caetano Caruso (que já fez Trair e Coçar para o Multishow) como diretor. E, não contente em ser o protagonista, Luiz Fernando se desdobra em mais um personagem a cada episódio, todos extraídos do monólogo. Fã de Ronald Golias, o ator disse que está, pela primeira vez em longos anos de carreira, aprendendo a fazer o que o mestre fazia na clássica Família Trapo: falar diretamente para a câmera, sem deixar de fazer um espetáculo também para a plateia local.

Até para honrar os créditos de Charles Möeller & Cláudio Botelho, grifes no universo dos musicais no País, todo episódio será encerrado com um número musical. Para puxar o solo, o elenco conta com a presença de Gottscha, profissional do ramo. Ela é Coral, ex-suburbana de Bangu e uma das “agregadas” que disputam a propriedade do salão: sua filha, Maria Eduarda (Fernanda Nobre), é ex-noiva do ex-marido de Eleonora, que já foi casada várias vezes e tem uma filha, Silvia (Cláudia Missuri) e um fiel ajudante, Sebastian (Eucir de Souza). Tem ainda uma sócia, a ex-prostituta Stephanie, personagem que põe Miá Mello em trajes e trejeitos de perua. O elenco se completa com Carlão (João Gabriel Vasconcellos), GogoBoy na boate Boa Noite Cinderela, e a drag queen Lucy in the Sky (Beto Carramanhos), única que de fato é cabeleireira profissional.

“A ideia é juntar personagens do dia com personagens da noite, a aristocrata rica do Copa com o gogo boy”, explica Charles. “E tem essa coisa de Copacabana, sensacional, de ser a grande rua dos arquimilionários dos anos 40 que ficou absolutamente decadente.” O salão de Eleonora fica bem numa esquina da Atlântica, e um componente tecnológico há de impressionar o público: Uma tela em LED faz todo o fundo do cenário, promovendo um movimento de pessoas e veículos avistados por meio da transparência da fachada do salão. São imagens gravadas e ali inseridas, mas que se misturam à sombra dos atores que, vindos da coxia do teatro, adentram fisicamente pela porta do estabelecimento. “O Led é uma composição de pessoas com prédios”, explica Caruso. “Aquilo não existe, tudo foi gravado no chroma e inserido – o céu, as pessoas, os ônibus, a luz do dia, da noite – e experimentado muitas vezes até que a gente acertasse a proporção de tudo.”

Charles destaca ainda a inspiração de Almodóvar para a direção de arte e elementos complementares com “essa pegada de Andy Warhol”, no melhor propósito de “unir aristocracia e modernidade”. Entre os personagens, não há um em quem se possa confiar. “Não é que ali só tenha vilões, mas todos têm uma bipolaridade, é a Liga da Injustiça, como a gente diz, como se fosse um Robin Hood do mal – pessoas que acabam fazendo mal para pessoas do mal”, diz Charles. “Tem muito a ver com o politicamente incorreto, que eu acho tão fascista, um jeito disfarçado de mostrar o que é certo e o que é errado. A gente, como artista, não pode nunca deixar que venham impor esse discurso pra gente, porque demoramos muito tempo pra poder nos manifestar.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.