Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Debate sobre TV une Fábio Porchat e Serginho Groisman

Evento organizado pelo 'Estado' e Livraria Cultura, em SP, vai discutir o futuro da televisão, que completa 65 anos no Brasil

O Estado de S. Paulo

10 de setembro de 2015 | 23h32

É hoje que Serginho Groisman e Fábio Porchat se juntam no Teatro Eva Herz, a partir das 16h, a convite do Estado, para refletir sobre os 65 anos da TV no Brasil - Marcelo Tas estaria presente, mas teve que cancelar por problemas familiares. Nomes emblemáticos para a vanguarda de um veículo que se impõe em mudanças cada vez mais velozes, eles falam sobre presente e futuro. Faz tempo que a TV já não depende do “televisor”, aquele aparelho tão indispensável para as lendárias transmissões que fariam Assis Chateaubriand inaugurar a Tupi, primeira estação de TV da América Latina, em 18 de setembro de 1950, no bairro do Sumaré, em São Paulo.

Dos 65 anos de TV, Groisman conta quase 30 dedicados às câmeras. Do inovador TV Mix, na TV Gazeta, até abrir a madrugada de sábado para domingo à miscelânea cultural com auditório jovem - lá se vão 15 anos de Altas Horas, na Globo -, criou o Matéria Prima, que fez história na TV Cultura e serviu de referência para o Programa Livre, de longa e feliz temporada no SBT. 

Colunista do Estado, Porchat chegou a essa festa mais recentemente, há menos de dez anos, inicialmente como roteirista. Sócio e cocriador do Porta dos Fundos, o maior portal de humor da web, é um ícone da tendência, irreversível, que leva a TV a se alimentar cada vez mais da internet. Recusado por uma indústria televisiva sem ousadia, o Porta dos Fundos teve de se provar vencedor em outra tela, na web, para despertar na TV convencional a cobiça por seus talentos e ideias, servindo agora como referência do riso feito na própria televisão. 

E se o televisor multiplicou suas funções, diluindo seu uso para outras atividades, como DVDs, games e até acesso à própria internet, o conteúdo se espalhou por outras telas e acelera o hábito de ser visto quando e onde o espectador quiser. A TV sob demanda força produtores e criadores a se reinventar com urgência. O encontro desta seta-feira é aberto ao público, com mediação da colunista de TV do Estado, Cristina Padiglione.

DEBATE SOBRE FUTURO DA TV

Livraria Cultura. Teatro Eva Herz. Conjunto Nacional, Av. Paulista, 2073. Sexta, 11, 16h. Distribuição de ingresso a partir das 9h

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.