De volta aos idos do yadda, yadda, yadda

Blog brasileiro comenta Seinfeld como se a série dos anos 1990 fosse gravada hoje

Gustavo Miller, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2009 | 02h52

Imaginemos que a série Seinfeld (1989-1998) só tivesse sido criada agora. Que fosse um sucesso de audiência absurdo, igual foi nos anos 1990. Que Jerry, George, Elaine e Kramer ganhassem um novo episódio a cada semana. Os fãs da série possivelmente teriam o seguinte comportamento: primeiro, baixariam o programa pela internet. Após assisti-lo, passariam horas em fóruns, sites e blogs filosofando sobre o nada.Depois do blog Movimento Seinfeld (www.movimentoseinfeld.com.br), esse cenário não precisa mais ser imaginado. A cada quinta-feira - mesmo dia da semana em que era visto nos EUA - o site publica um texto comentando o programa que supostamente teria ido ao ar naquele dia. Como a página tem duas semanas de vida, só existem até agora textos sobre os dois primeiros episódios da temporada de estreia.O blog é feito por quem escreve sobre humor e cultura pop na internet, como os blogueiros Chico Barney e Ulisses Mattos, e os meninos da produtora Badalhoca. Também haverá convidados especiais. "Já temos tudo programado até a metade da segunda temporada", diz o designer Felipe Coelho Kussik, de 23 anos, pai do projeto. "Sentimos que é uma grande homenagem. O Seinfeld mudou nosso jeito de olhar as coisas. Passamos a ligar para aquelas lacunas da sociedade que eram discutidas no programa. Isso se leva para a vida toda", explica. O blog quer (re)estimular o hábito de assistir àquele que é considerado o melhor seriado de todos os tempos, seja pelas reprises da TV a cabo, revendo os DVDs da série ou via download mesmo. O papel dos escritores do blog é apenas resenhar cada episódio. Cabe ao internauta/leitor fomentar a discussão na caixa de comentários. Daí vale escrever curiosidades, relembrar piadas clássicas e yadda, yadda, yadda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.