De James Bond a astro em declínio

Daniel Craig, o agente 007, vira produtor e banca filme sobre ator quarentão em crise

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2009 | 00h05

Em seu primeiro filme como produtor, Reflexos da Inocência (Imagem Filmes), Daniel Craig (James Bond) tenta provar que é também um ator dramático, mas o estreante Baillie Walsh, diretor de videoclipes ( New Order e Oasis) não deixa. Insiste em manter Craig com pouca (ou nenhuma) roupa para repetir o frisson causado pelas cenas de praia de Cassino Royale. Bem, o certo é que o papel exige. Craig interpreta um ator quarentão, viciado em cocaína, bebidas e sexo - não necessariamente nessa ordem -, que entra em crise com o anúncio da morte de seu melhor amigo de infância.O filme todo é contado em flashback, mostrando a infância pobre de Joe Scott (Craig) numa praia, sua iniciação sexual com uma mulher casada e o namoro com a música do Roxy Music. Como o diretor Walsh é da área, o filme é pontuado por antigos sucessos de Scott Walker e David Bowie. Numa das melhores cenas de Reflexos da Inocência, o adolescente Joe Scott e sua primeira namorada dublam If There Is Something, do Roxy Music. Há também um momento dramático que o cineasta desperdiça com a trilha nada sutil. De qualquer modo, o filme tem uma boa história e um elenco acima da média.

Tudo o que sabemos sobre:
daniel craig

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.