De diva adolescente a avó em 30 anos

PÓS 1980 Eterna 'Garota de Rosa Shocking' agora é mãe de jovem mãe na ficção

Etienne Jacintho, LOS ANGELES

24 de julho de 2010 | 16h00

Molly Ringwald foi a diva de muitas adolescentes nos anos 80, inclusive desta jornalista que ficou emocionada ao entrevistá-la. Para quem não se lembra - ou não tem idade para se lembrar -, a ruiva participou de filmes como A Garota de Rosa Shocking, Gatinhas e Gatões, Clube dos Cinco, O Rei da Paquera, Mais ou Menos Grávida e O Casamento de Betsy. Todos clássicos da Sessão da Tarde.

 

Depois do sucesso nos anos 80, a heroína das comédias românticas decidiu trocar os Estados Unidos pela França. Lá na Europa, Molly se casou e criou seus filhos. Às vezes, ela fazia um ou outro trabalho nos EUA. A volta da atriz aos EUA se deu recentemente e, aos 42 anos, a atriz faz papel da mãe de uma adolescente grávida na série The Secret Life of the American Teenager (A Vida Secreta da Adolescente Americana), cuja 2.ª temporada está em cartaz no Boomerang, aos sábados, às 17 horas.

 

 
Vida real. Molly engravidou, o roteiro da série foi adaptado e mãe e filha (Shailene Woodley) na ficção esperaram bebê juntas

Como é estar na mira do público novamente?

Continuei trabalhando ao longo dos anos, mas esse é o primeiro trabalho de sucesso e isso é bom. É divertido. Tudo se fecha como num ciclo para mim, pois a última coisa de sucesso que fiz, eu ainda era adolescente. E agora sou a mãe de uma adolescente.

 

Qual é o segredo do sucesso de A Vida Secreta...?

Não há drama maior que o Ensino Médio. E acho que as pessoas se interessam em assistir à uma série que pais podem ver com seus filhos. Não há muitas atrações que os pais suportam assistir com seus filhos adolescentes. Essa é uma série que abre diálogo com as crianças.

 

Você trabalha com adolescentes. Eles te pedem conselhos?

Não e também não dou conselhos se não me pedem. Nos damos muito bem e conversamos sobre várias coisas - geralmente sobre moda e maquiagem. Disse a Shailene (Woodley, que interpreta Amy, a filha adolescente de Molly) que faria para ela uma lista de filmes e livros. Isso porque eu falei algo sobre Mia Farrow e ela perguntou: ‘Quem?’ Não. Isso não é possível! Mas esse é o máximo que faço em questão de dar conselhos. Esses atores adolescentes são espertos, talentosos e divertidos.

 

Você acha que o comportamento adolescente e o modo de ele ser retratado na ficção mudou da época em que você viveu uma adolescente grávida em Mais ou Menos Grávida para agora em A Vida Secreta?

Acho que o comportamento é o mesmo. No filme que fiz, o roteiro, originalmente, mostrava como era difícil ter uma criança sendo uma criança. No meio, a coisa mudou e a diretora quis deixar tudo mais leve, o que me aborreceu na época, pois sentia que passaria a mensagem errada. Já a série não faz isso. Ela passa a ideia do quão difícil a gravidez na adolescência é e mostra a transformação na vida de Amy.

 

Olhando para os anos 80, você tem um filme favorito?

Meu favorito é o primeiro que fiz, não sei se porque tudo era novidade, mas tinha o John Cassavetes e a Gena Rowland e se chamava Tempest. Mas amo os filmes de Jon Hughes (diretor de Garota de Rosa Shocking, Clube dos Cinco e Gatinhas e Gatões) também. Eles são como se fosse um único filme para mim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.