Michael William
O ator Dalton Vigh completa 25 anos de carreira em 2020 Michael William

Dalton Vigh analisa o teatro pós-pandemia: ‘Criatividade para continuar existindo'

Ator, que completa 25 anos de carreira e está em duas novelas ao mesmo tempo, afirma que não sentiu o tempo passar por amar produzir cultura

Camila Tuchlinski, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2020 | 12h00

Dalton Vigh sorri quando percebe que completou 25 anos de carreira em 2020. “Só me dou conta que já faz 25 anos quando as pessoas me falaram agora (risos). A sensação que eu tenho é que ainda estou começando. Para mim é tão recente! Não sei o que me faz ter essa sensação. Não sei se é porque eu gosto muito da coisa, então, talvez eu queria estar fazendo mais”, refletiu o ator, em entrevista ao Estadão, demonstrando aquela paixão de quem trabalha na carreira que ama.

Ele coleciona, até agora, 36 trabalhos em televisão, seja novela ou seriado, 12 filmes e 14 peças teatrais. Atualmente, está em duas novelas ao mesmo tempo: nas reprises de Fina Estampa, na Globo, e em O Clone, no canal Viva. “É sempre uma viagem no tempo. Algumas cenas eu lembro bem e outras me pergunto: ‘Eu gravei isso? Nem lembrava’. E é um exercício de autocrítica, teria feito algo diferente”, diz. Ele passou também por SBT, no mais recente sucesso de Poliana, Record TV e pela antiga TV Manchete. No ano passado, o ator esteve em cartaz com a peça Caros Ouvintes.

Apesar de sempre sentir paixão pela cultura e nutrir o desejo de ser ator, Dalton Vigh se formou inicialmente em publicidade. “Sempre tive esse sonho de ser ator, mas era um sonho tão relegado no ‘fundo da gaveta’ que eu mesmo nunca pensei que pudesse dar em algo. Era um segredo meu. Quando eu disse para amigos e família, foi uma surpresa pra todo mundo”, lembra.

E o momento que Dalton decidiu ingressar no teatro não poderia ser mais adverso. Ele decidiu largar um emprego para fazer estágio como publicitário, mas não deu certo e ficou sem trabalho em plena época em que o ex-presidente Fernando Collor confiscou a poupança dos brasileiros nos anos 1990. Para piorar a situação, o padrasto dele havia morrido. “Eu estava passando por uma crise financeira e emocional e decidi apostar todas as fichas nisso. Pensei: ‘Acho que a melhor coisa que posso fazer para cuidar da minha família é fazer algo que eu gosto’. Quando eu comecei a fazer escola de teatro, muitos amigos vieram me perguntar: ‘Cara, você tem certeza que vai fazer teatro? Sua família está precisando de você, precisa do seu apoio, de dinheiro’. Depois eles vieram e falaram que eu tinha razão”, conta Dalton, que avalia que teria se arrependido, se não tivesse tentado. 

Ainda na escola de teatro, começaram a aparecer alguns trabalhos, como comerciais, uma peça profissional e logo depois disso foi convidado para participar da novela Tocaia Grande, o primeiro trabalho dele na antiga TV Manchete. Para dar vida a um personagem, Dalton busca referências nos mais diversos lugares e até em cenas do cotidiano. “Tudo pode servir de referência para compor um personagem. Um livro, uma música, uma pintura, mesmo não tendo nenhuma relação aparente, direta, pode te trazer uma inspiração. Já aconteceu de eu estar ensaiando duas peças ao mesmo tempo e surgir ideias. Às vezes, você está na rua e vê uma pessoa passando e pensa: ‘Essa pessoa pode andar como o personagem’. Quando fiz o papel do inquisidor, na Xica da Silva, na Manchete, o que me inspirava a fazer ele era a trilha sonora do Darth Vader, de Star Wars, porque ele usava aquela capa e, quando eu colocava o figurino, ficava pensando na música”, se diverte.

Com a experiência de 25 anos de carreira, Dalton Vigh consegue ver beleza no teatro, na TV e no cinema. “O teatro é o único trabalho com linearidade de emoções. Claro, algumas peças são contadas fora de ordem, mas você sabe onde começa e termina. No cinema e na TV, a gente faz isso, mas grava fora dessa ordem. O processo de composição do personagem é diferente. Sem contar que, em novela, a gente nunca sabe onde o personagem vai terminar, depende da aprovação do público. O teatro tem o lado de você se sentir seguro, já ensaiou bastante e tudo o mais. E a televisão tem o lado do ‘trapézio sem rede’, pode ir para um lado ou outro”, explica.

Assista ao vídeo:

 

 

O desafio da cultura no pós-pandemia

Observador, Dalton Vigh percebe que muitas pessoas estão buscando se adaptar diante dos desafios impostos pelo isolamento social por causa da pandemia do novo coronavírus. “A indústria cultural vai se adaptar a essas condições. Se a gente continuar assim, a indústria cultural parada, os teatros e cinemas fechados, as pessoas vão se adaptar. Achei ótima a iniciativa do pessoal do drive-in. A gente vai ter de usar da criatividade para driblar as condições, porque pode ser que isso volte, não sabemos se a vacina será eficaz”, afirma. 

O ator acredita que as pessoas precisam encontrar uma forma de fazer teatro dentro dos protocolos de segurança e sugere:  “Se a gente vai começar a diminuir a capacidade de lotação dos lugares, a gente também pode pensar em oferecer teatro em outro horários. Começar a fazer teatro à tarde, como é feito em outros países, em outros dias da semana. Porque, antes da pandemia, o teatro só acontecia na sexta, sábado e domingo. Antigamente era de terça a domingo. A gente não sabe também se, após a pandemia, haverá uma procura maior pelo teatro. Espero que sim”. 

Dalton Vigh conta, sem dar detalhes, que gravou um piloto de um projeto para fazer cenas de teatro em rádio. “Acho que a solução será buscar novos caminhos, usando a criatividade, para gente continuar existindo. De repente, trazer até mais gente para assistir aos espetáculos”, conclui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Dalton Vigh fala de seus projetos e da volta ao SBT

Pai de gêmeos, ator está na série ‘O Negócio’, no filme ‘Nada a Perder’ e ainda este ano na novela ‘Poliana'

Eliana Souza, O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2018 | 06h00

Já na casa dos 50 e pouquinhos, Dalton Vigh tem uma agenda invejável, com participações em filme, série de TV e novela. Mas não é só isso, não. No momento, também divide com sua mulher Camila Czerkes a tarefa de cuidar dos gêmeos Arthur e David. “É trabalhoso, estão perto dos dois anos, dá bastante trabalho, mas é muito legal”, conta o ator sobre os pequenos.

Entre seus projetos profissionais, atualmente ele integra o elenco de O Negócio, série da HBO, um dos maiores sucessos do canal e que estreou simultaneamente em mais de 50 países. Estrelada pelas atrizes Michelle Batista, Juliana Schalch, Rafaela Mandelli e Aline Jone, mostra como um grupo de garotas de programa conquistou o sucesso ao utilizar técnicas de marketing para gerenciar o empreendimento. “Era uma série que eu já acompanhava e sabia o que acontecia na história”, diz Dalton, que entrou para a trama na pele do ambicioso promotor Rodolfo Sherman. “Meu personagem quer atrapalhar os planos das meninas de construir um hotel de luxo”, conta o ator que também poderá ser viso em outra produção para a telinha.

Dalton estará no filme, que será exibido como série, A Divisão, baseado em fatos reais, com direção de Vicente de Amorim e produção do AfroReggae Audiovisual. “Longa será lançado primeiro nos cinemas e depois chegará ao Multishow em capítulos, inclusive já fizemos uma segunda temporada”, afirma o ator, que neste trabalho vive um deputado estadual que tem a filha sequestrada, caso que resultou na criação da divisão antissequestros do Rio de Janeiro. “A história se passa na década dos anos 1990, quando o Rio viveu uma onda grande de sequestros, e daí como surgiu essa delegacia e como era o método usado pelos policiais para acabar com esse crime.”

Pulando da TV para o cinema, Dalton Vigh está nas telas com o filme Nada a Perder, uma cinebiografia do bispo Edir Macedo e que, antes mesmo de estrear, já havia batido recorde de bilheteria. “Ocorreu uma coisa engraçada, pois a gente acabou fazendo ao mesmo tempo o Nada a Perder e A Divisão, filmamos tudo junto, mas foi bem interessante”, afirma Dalton, que conta ainda pois o processo de filmagem exige muita concentração, foram trabalhos que exigiram muita concentração, você trabalhava em épocas diferentes, um dia estava filmando nos anos 1980 no outro, nos 1990”, explica. 

Em Nada a Perder, ele vive o personagem que é pressionado a tentar impedir a ascensão de Edir Macedo. “O juiz Ramos, que interpreto, é mais pressionada a tomar uma atitude com relação ao Edir, a encontrar fatos contra ele”, que neste trabalho como nos outros citados, ator interpreta personagens com poder, ou busca dele.

Retornando ao mundo televisivo, Dalton Vigh será visto na nova novela do SBT, As Aventuras de Poliana, de Íris Abravanel, e que tem estreia prevista para maio, entrando no lugar de Carinha de Anjo, às 20h30. Essa é a volta do ator à emissora após 20 anos. “A trama é uma adaptação do livro Poliana e eu serei o vilão da história, mas que no decorrer acaba sendo transformando pelo otimismo da menina”, conta Dalton. “Ele é um gênio da tecnologia, mas é um cara amargurado, por suas perdas, mas acredita que o ser humano tem de viver sem sofrimento e quer transformar as relação para que ninguém sofra mais, é seu sonho”, diz o ator, revelando que seu contrato é por obra. “Foi muito gostoso voltar para o SBT, é um lugar que tinha deixado saudade, está sendo muito bom.”

Não contente com todos esses projetos, Dalton Vigh tem se arriscado a escrever roteiro. “Estou tentando desenvolver algumas histórias, roteiros, mas é tão sem compromisso, não tenho nada para mostrar para ninguém, mas estou fazendo sim, com calma, escrevo, reescrevo”, conta.

Tudo o que sabemos sobre:
Dalton Vigh

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.