Cronenberg usa o corpo como arma

Em Senhores do Crime, cineasta canadense explora os aspectos sombrios do homem

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2009 | 02h53

Parasitas sifilíticos, batidas de carro erotizadas e vermes invasores - os filmes de David Cronenberg pingam sexo e violência. E um de seus mais recentes a chegar em DVD, Senhores do Crime (Playarte), não é exceção. O cineasta canadense transformou-se em um notório pesquisador dos aspectos sombrios da natureza humana, especialmente a íntima relação com o mal. E aqui ele repete a parceria com o ator Viggo Mortensen, agora no papel de um misterioso motorista da máfia russa.Ele conhece uma moça (Naomi Watts), que trabalha em um hospital em Londres e testemunha a morte de uma jovem garota durante o parto na noite de Natal. Decidida a descobrir mais detalhes sobre a morta, a mulher envolve-se sem perceber no nebuloso terreno dos mafiosos, especialmente ao guardar um caderno no qual estão anotações preciosas.As letras, aliás, designam o destino das pessoas, como prova o motorista, em cujo corpo estão tatuadas palavras que determinam sua condição social entre os mafiosos. Cronenberg ressalta a importância do físico e contou com Mortensen, que se entregou com afinco ao papel, especialmente na cena de luta em que atua nu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.