Divulgação
Divulgação

Crítica: Com trama envolvente, 'Stranger Things' é repleta de referências a filmes cultuados

Queridinha do momento, a série não traz nada de revolucionário em termos de narrativa

Adriana Del Ré, O Estado de S. Paulo

30 Julho 2016 | 16h00

A série, pasmem, tirou o foco de Game of Thrones. Queridinha do momento, Stranger Things, produção original da Netflix, não traz nada de revolucionário em termos de narrativa. E é aí que está a grande sacada de seus criadores, os Duffer Brothers. O seriado é um festival de referências a filmes icônicos e cults, sobretudo dos anos 1980.

Para quem já tem o repertório dessas produções, a cada cena, há uma sensação clara de déjà vu, que ativa a memória afetiva, e conduz por uma história cujo enredo não deixa você confortável em nenhum momento. Tem a cena dos amigos em fuga andando de bicicleta, como em E.T. (1982), de Steven Spielberg – mas, neste caso, sem querer dar spoiler, não é a bike que sai voando.

Em outra, a personagem de Winona Ryder pendura luzes de Natal no teto para se comunicar com o filho desaparecido (ela sabe que o menino pode fazer isso, de alguma forma) e as vê piscando, tal e qual os extraterrestres fazem no final de Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977), também de Spielberg.

Há ainda a forte amizade do grupo de garotos, que remete a Conta Comigo (1986) e a Super 8 (2011) – no primeiro, quatro amigos vão atrás do corpo de um jovem desaparecido e, no segundo, uma turma de amigos testemunha um estranho acidente de uma caminhonete e um trem, e tudo isso está pulverizado em Stranger Things.

Tem também pitadas de Scanners – Sua Mente Pode Destruir, da literatura de Stephen King e de outras referências mais que você certamente vai identificar.

Situada nos anos 1980 – e com uma trilha sonora saborosa da época –, a série mostra uma cidade até então pacata afetada pelo sumiço misterioso de um menino e a busca implacável de um delegado. Os três melhores amigos do garoto também saem atrás dele e encontram no caminho uma enigmática menina, Eleven (Millie Bobby Brown).

O elenco é afiado, com uma bela volta por cima de Winona, mas os atores mirins são um destaque à parte, especialmente a atriz Millie, de cabelos raspados, que impressiona pela interpretação intensa e contida, e o carismático ator Gaten Matarazzo, que vive Dustin. Difícil não ficar em crise de abstinência ao fim dos oito episódios dessa primeira temporada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.