João Cotta / Globo / Divulgação
João Cotta / Globo / Divulgação

Crítica: 'BBB 21' estreia como uma espécie de parte 2 do 'BBB 20'

Nova edição do reality teve início nesta segunda, 25, unindo novamente anônimos e famosos e sendo exibida ainda num contexto de pandemia

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2021 | 01h47

Como em toda edição do programa, o BBB 21 estreou nesta segunda, 25, na Globo, com apresentação de Tiago Leifert, e aquele habitual clima amistoso entre os participantes que acabam de se conhecer e se comportam como 'velhos amigos de infância'. Mas a melhor fase do reality virá mesmo depois que essa empolgação passar, as diferenças entre os confinados vierem à tona e os grupos rivais se formarem dentro da casa. E os participantes desta edição prometem.

Mesmo trazendo novidades na dinâmica do jogo, o novo BBB não deixa de parecer uma espécie de parte 2 da edição passada, quando o elenco de confinados uniu famosos e anônimos – ou Camarote e Pipoca –, e o programa foi ao ar no início da pandemia (e do isolamento) no Brasil. Essa combinação acabou potencializando ainda mais o sucesso da edição do ano passado. Com um elenco atraente, incluindo personalidades do mundo digital, o BBB 20 foi 'beneficiado' pelo fato de as pessoas estarem confinadas em casa, podendo acompanhar com mais assiduidade o reality na TV e participar mais ativamente das polêmicas e dos debates nas redes sociais. Prova disso foi o acirrado paredão entre os 'rivais' Felipe Prior e Manu Gavassi, que bateu o recorde histórico de mais de 1 bilhão de votos.

De certa forma, o BBB 21 repete essa fórmula: uma disputa entre famosos e anônimos pelo prêmio de R$ 1,5 milhão em plena pandemia. É possível ver também potencial nesta edição pela presença de alguns participantes já conhecidos do público, como, por exemplo, os rappers Karol Conka e Projota, que têm discursos contundentes: ela, sobre feminismo, machismo e racismo; ele, sobre política e temas sociais. Seriam eles os novos Thelminha e Babu desta edição? Aliás, existe uma diversidade maior no elenco, com mais participantes negros e LGBTs.

Há ainda influencers que atraem uma audiência mais jovem, assim como aconteceu em 2020, como Camilla de Lucas e Viih Tube. Já Fiuk fez jus à sua fama de conquistador ao flertar com Juliette poucos minutos depois de entrar na casa. As redes sociais, inclusive, já estão shipando os dois, que começaram esta primeira semana de programa já imunizados pelo público, juntamente com outros 4 confinados. Os demais 14 participantes estrearam no reality disputando prova de imunidade.

A noite de estreia rendeu muitos memes e repercussão nas redes. Agora é aguardar os confinados entrarem, de fato, no jogo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.