Crise de identidade

Vilões arrependidos, mocinhos cruéis, o ibope dita a metamorfose dos personagens de novela

Keila Jimenez, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2007 | 11h45

Bonita e rica, Silvia (Alinne Moraes) chegou em Duas Caras disposta a ajudar a mãe a superar a terrível perda do marido. A jovem de fala doce nem imagina o que seu destino ficcional lhe reserva: vai virar uma peste do dia para a noite. Silvia será a grande vilã da trama das 9 da Globo, em uma guinada comum só a um tipo de personagem: o bipolar.  Veja também:'Há mudanças precipitadas' Vilões que viram santos, mocinhos que cometem as maiores atrocidades, sofredores que saem rindo à toa. Os personagens bipolares são assim, começam de um jeito e terminam de outro completamente diferente na novela. Como na vida real, sofrem alterações bruscas de temperamento sem explicações, deixando a audiência quase sempre atordoada. As causas da "doença" na teledramaturgia são as mais variadas: rejeição do público, ibope em baixa, choramingos de atores e, é claro, a vontade imprevisível dos autores."Uma violenta mudança de caráter vai acontecer com Silvia. Aquela moça linda, formada em Sorbonne será cúmplice de Ferraço (Dalton Vigh) em todas as suas maldades. E a certa altura vai tentar até matar o filho dele com Maria Paula (Marjorie Estiano)", anuncia Aguinaldo Silva, autor de Duas Caras.Como quase todos os acometidos pelo mal, Alinne Moraes, a bipolar da vez, não sabia da mudança. "Fiquei surpresa, mas minha intuição já previa essa possibilidade por causa do nome da novela", fala a atriz.FeitiçariaIrene Ravache também foi vítima de uma metamorfose no ar. Sua amarga Loreta em Eterna Magia virou a mais doce das criaturas como num passe de mágica. Opa! Esqueçam a mágica, afinal, a da novela das bruxas se voltou contra a feiticeira, no caso, a Globo. Tanto é que uma crise de personalidade também acometeu as protagonistas. Vilã e mocinha se embolaram no núcleo de Eva (Malu Mader) e Nina (Maria Flor). Dos bipolares de Paraíso Tropical, o caso mais grave foi o de Antenor Cavalcante. E olha que Tony Ramos bem que tentou reverter sua fama de bom moço na pele do empresário crápula. Não deu. Antenor conquistou a redenção plena para a alegria geral do ibope, que ainda não engoliu Tony na pelo de lobo. "Quando vejo que um personagem não está agradando, faço pequenas mudanças. Mas é preciso saber se ele realmente não está agradando ou se só está sem ação", fala Aguinaldo Silva."Se essa bipolaridade é definida com o ator desde o início da novela, acho um truque eficiente de narrativa. Também não vejo mal em usar isso para algum ajuste necessário na trama", completa Silvio de Abreu. "Em Vira-Lata, a personagem de Carolina Dieckmann seria uma vilãzinha. Como a novela começou ruim de ibope, descobri que precisava de um personagem feminina de empatia. Apostei nela, que acabou virando a heroína", revela Carlos Lombardi, endossando a tese de que o Prozac dos bipolares da dramaturgia é o ibope. Quem sou eu? Onde estou?Antenor (Tony Ramos)Até o ator duvidou da redenção do empresário-trator em Paraíso Tropical. Antenor terminou mais bom-moço que Tony.Eva (Malu Mader)O público não queria Malu vilã, então ela ficou boa, má, e boa outra vez em Eterna Magia. E terminou como? Ruim de ibope.Dante (Reynaldo Gianechinni)Em Sete Pecados difícil é quem não é bipolar. Dante, que era até chato de tão bonzinho, ficou frio e calculista de repente.Bebel (Camila Pitanga)Poucos se lembram, mas Bebel sacaneou muito a mocinha no início da novela. Como virou mania nacional, ficou boazinha, boazinha. Nina(Maria Flor)Se a vilã não era mais vilã, então a mocinha não era mais mocinha. Maria Flor também passou por crise de identidade em Eterna Magia. Léo (Thiago Rodrigues)O Léo maduro e arrependido do final de Páginas da Vida, nem parecia o estúpido e egoísta do início da novela. Não convenceu. Fred (Paulo Vilhena)Mimado e com falhas de caráter, Fred se purificou a ponto de levar a melhor em cima do garoto ringtone, o bom filho Gustavo Leão.Pedro (Sidney Sampaio)Bipolar de nascença, o chef de Sete Pecados já tinha em sua descrição esse distúrbio de temperamento. Muda cena a cena. Ângela (Cláudia Raia)Responsável e companheira, Ângela escondia seu lado vilã em Torre de Babel. Truque do autor para enganar o telespectador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.