NETFLIX
NETFLIX

Criadores da trilha sonora, Kyle Dixon e Michael Stein falam da nova temporada de 'Stranger Things'

Ele explicam porque a música da série não poderia ser retrô ou nostálgica demais; a terceira temporada estreia no dia 4 de julho

Angela Haupt, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2019 | 16h23

Em uma tarde recente de terça-feira, Kyle Dixon e Michael Stein estavam escondidos dentro de um estúdio de gravação de Los Angeles, cercados por aparelhos de mixagem e pilhas de teclados. Você os teria encontrado no mesmo lugar um dia antes e no dia anterior.

Dixon e Stein são os compositores do seriado cult de sucesso da Netflix, Stranger Things - os caras que criaram o tema de abertura e trilha sonora sintética que exercem um papel fundamental na criação da fascinante vibração da série. E eles estavam diante de um prazo apertado, com menos de uma semana para terminar a música para o último episódio da terceira temporada, que chega em julho.

A sessão estava indo bem, disse Dixon. "Como Stranger Things em bebidas energéticas”, Stein entrou na conversa, amassando uma lata recém-bebida. Dixon e Stein (que também são metade da banda eletrônica Survive, sediada em Austin, EUA) fizeram uma pausa para falar sobre seu trabalho.

Vamos voltar ao começo: como vocês se conheceram?

Dixon: Nós nos conhecemos quando tínhamos 13 anos, no parque de skate. A primeira vez que fizemos música juntos foi provavelmente cerca de 10 anos depois.

Como os irmãos Duffer, os criadores de Stranger Things, abordaram vocês para fazer a trilha sonora?

Dixon: Recebemos um e-mail um dia e eles disseram: “Ei, estamos trabalhando em uma série de ficção científica/horror para a Netflix.” Era tudo que precisávamos ouvir.

Stein: foi muito estranho. Eles tinham acabado de receber autorização para fazer essa coisa, e nós pensamos, parece real demais para ser falso. Mas por que eles estão nos mandando um e-mail?

Dixon: (sussurrando, mas alto o suficiente para ser ouvido) Ninguém sabe na realidade ...

Como foi quando o programa começou a fazer sucesso?

Dixon: Ninguém sabia o que esperar. Nós não dissemos a ninguém que estávamos trabalhando nisso.

Stein: Eu disse ao meu chefe, para explicar por que estava saindo.

Dixon: Nós dois tivemos que pedir demissão muito antes de o programa ser lançado.

Stein: Nós definitivamente assumimos o risco de não sermos remunerados por um tempo. Tivemos que colocar toda a nossa energia em aprender a compor corretamente. Estávamos 100% na coisa.

Dixon: Eu estava totalmente pronto para que eles viessem a nos demitir até o lançamento - não que eu não achasse que estava indo bem, mas você sempre ouve histórias desse tipo, como o artista aparecer na estreia e sua música não estar no filme.

Stein: Então saiu e todo mundo falava “Ah, meu Deus, a música”, e eu fiquei, tipo, “Certo, acho que correu tudo bem”.

Quais foram a sua diretriz quando vocês começaram a escrever para a primeira temporada?

Dixon: Eles disseram: "Nós sabemos que vocês podem fazer épicos. Nós sabemos que vocês podem fazer coisas sombrias e assustadoras. E sabemos que vocês podem fazer outras músicas. Nós só ainda não ouvimos ainda”.

Stein: Como o material mais irreverente - eles precisavam ter certeza de que poderíamos fazer isso. Também era importante para eles que a música de Stranger Things não fosse retrô ou nostálgica demais. Eles não queriam que fosse uma música super sintética; eles queriam algo que fosse mais moderno e original.

Ao contrário da primeira temporada, vocês agora escrevem para a cinema - mas como ainda não terminou, as cenas que vocês veem são de baixa qualidade. Isso significa que vocês assistem ao programa quando todo mundo faz, quando ele estreia no Netflix?

Dixon: Eu nunca assisti. Eu não vejo razão para isso; sei exatamente o que vai acontecer. Embora eu possa assistir à nova temporada porque eu quero ver como algumas coisas ficaram.

Stein: Eu acho que a experiência é melhor se você assistir com outras pessoas. Minha avó e sua prima são ambas fãs do programa, e ver sua experiência ou expressão - me ajuda a entender o programa um pouco melhor.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.