Acervo pessoal de Roberto Lemos
Acervo pessoal de Roberto Lemos

Crescimento do streaming deve impulsionar roteiristas premiados, mas anônimos

Brasileiros estão otimistas com possível maior inserção no mercado de séries e produções originais

Eduardo Gayer, especial para o Estado

19 de abril de 2019 | 03h00

O streaming está ganhando força nos quatro cantos do planeta. No final de março, a Apple anunciou um investimento de 2 bilhões de dólares em sua nova plataforma de conteúdos online, batizada de AppleTV+. A Netflix, empresa mais famosa do setor, também cresce - e deseja expandir a produção de séries originais brasileiras, de acordo com Maria Angela de Jesus, executiva da plataform que concedeu entrevista ao Estado. Grandes talentos da área, inclusive, foram revelados pelo Brasil, como Pedro Aguilera, um dos criadores da série 3%cuja metade da audiência veio do exterior. 

Tal crescimento do setor de streaming deve projetar, no futuro, outros roteiristas do País premiados mundialmente, mas pouco conhecidos pelo público em geral. Roberto Lemos é um dos exemplos: sua série Michelângelo foi a grande vencedora do Amsterdam International Film Festival 2017, além de ter levado outros prêmios como Los Angeles Film & Script Festival 2017 e o segundo lugar no Cannes Screenplay Contest. Apesar da falta de espaço para sua produção em grandes distribuidoras de conteúdo, o roterista vê o cenário da área com otimismo. "A relação tem sido muito positiva e tem se estreitado. Os canais de streaming estão ouvindo as produtoras, seja diretamente ou por meio de eventos de fomento desse mercado", diz. 

Outro caso vem de Araraquara. Regiane Margonar Reis viu seu roteiro O Incrível Mundo de Ytron, uma fantasia épica, chegar às quartas de final no concurso Scriptapalooza 2018 e ser finalista no Oaxaca 2018, na categoria "melhor conceito original". As Estranhas Vidas de Alice, outra produção de Regiane, é um drama psicológico que narra os conflitos de uma jovem mulher que assume a personalidade de uma vida passada, que também foi reconhecida internacionalmente: chegou à final do Mallorca International Film Festival 2018.  Assim como Roberto Lemos, Regiane é otimista: "Sinto que há cada vez mais abertura para a apresentação de projetos", comenta, em entrevista ao Estado. Recifense, Bill Labonia, cujo trabalho Specs Scripts foi duplamente premiado por Cannes, concorda: "nunca existiu um momento melhor para se entrar no mercado quanto hoje".

O publicitário Rafael Peixoto é mais um brasileiro valorizado no exterior. Sua série policial Rainha de Espadas conquistou o primeiro lugar na categoria piloto de TV no Canada International Film Festival. "Foi o único projeto que inscrevi em prêmios internacionais, já que o Brasil não tem concursos de roteiro relevantes", afirma. Peixoto, no entanto, compreende os limites por ora encontrados pelos roteiristas. "Qualquer empresa ficaria assustada em colocar 10 milhões de reais nas mãos de um escritor desconhecido, porque a base de tudo é o roteiro". 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.