Correndo atrás das horas...

Com a missão de trazer ao telespectador tudo o que acontece em Pequim, Globo e Band estão há anos se preparando para o expediente atual.Efetivamente, a coisa começa a esquentar dois anos antes do evento, levando repórteres até o país-sede e realizando matérias comportamentais em vários programas, com a intenção de preparar o tal "espírito olímpico". Um ano antes da Olimpíada é hora de ter definidos os locais de transmissão e solicitar toda a estrutura necessária ao Comitê Olímpico Internacional, responsável por gerar todas as imagens do evento.A emissora carioca levou 120 profissionais para o outro lado do mundo - todos foram notificados sobre a "convocação" no final do ano passado. Da China, a Globo contratou outros 70 ajudantes, que colaboram, inclusive, nas horas em que só o mandarim existe.A língua, aliás, fez parte da preparação de muitos jornalistas. Guilherme Arruda (foto), apresentador da Band, e mais um grupo de dez pessoas fizeram dois meses de curso para aprender o mínimo do idioma. O mínimo mesmo! "Seria só para me apresentar ou pegar um táxi", comentou Arruda, que tem tido dificuldades com a comunicação. Afinal, raros são os chineses que aprenderam a falar inglês.Além dele, a Band recrutou 80 pessoas para transmitir "15 horas diárias de programação" na tentativa de bater sua rival da TV aberta, que levanta a bandeira de 4 mil horas de Olimpíada na programação.

Thaís Pinheiro, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2008 | 23h21

Tudo o que sabemos sobre:
Olimpíadas de Pequim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.