TV Globo/ Divulgação
TV Globo/ Divulgação

'A lição que fica é a de não desistir', diz Tony Gordon, ganhador do 'The Voice'

Com 30 anos de carreira, cantor paulistano ganhou a 8ª edição do programa. Em entrevista ao 'Estado', ele falou sobre a vitória e também sobre a importância de enfrentar seus medos pessoais

Julliana Martins, Especial para o Estado

04 de outubro de 2019 | 09h42
Atualizado 05 de outubro de 2019 | 00h24

Aos 53 anos, o paulistano Tony Gordon é o grande vencedor da oitava edição do programa The Voice Brasil. Representando o time de Michel Teló – agora vencedor das últimas cinco temporadas –, o cantor se consagrou como a melhor voz desta edição do reality e garantiu um prêmio de R$ 500 mil, além de um contrato com a Universal Music, gerenciamento de carreira artística e um carro. Diferentemente dos últimos vencedores, o perfil de Tony chama atenção por causa dos mais de 30 anos de carreira, fato pouco comum no programa.

A trajetória profissional começou de verdade aos 20 anos, mas, antes disso, Tony já chamava atenção em casa. Ele ri ao lembrar da mãe dizendo que, se ele nascesse sem cantar, ia apanhar. Outra lembrança boa é de quando ela pegava na sua mão e passava pela vizinhança toda orgulhosa mostrando ele cantar ainda criança.



O cantor de pop e R&B tem a música no sangue. O pai, Dave Gordon, veio da Guiana para o Brasil na adolescência e ficou conhecido por seus shows que misturavam ritmos caribenhos aos brasileiros. A mãe, Denise Duran, também foi cantora, mas acabou interrompendo a carreira para cuidar dos filhos. Tony ainda é sobrinho de Dolores Duran, cantora e compositora que fez muito sucesso nos anos 1950; além disso, é irmão da cantora Izzy Gordon, que já fez shows com nomes como Zizi Possi e Ed Motta e teve um disco pré-indicado para o Grammy Latino.

Com uma família dessas, naturalmente as maiores referências vieram de casa. A mãe é só orgulho e a tia, apesar de ter morrido antes do nascimento do cantor, também desempenha uma grande influência na sua música. 

“Eu sempre falava para a minha mãe: ‘poxa vida, por que você parou de cantar?’ Por isso, um dos momentos mais especiais do The Voice foi entregar o troféu para ela. Foi como se eu tivesse uma dívida por ela ter sacrificado tudo na carreira para cuidar da gente, sabe?”, diz ele, que acrescenta ainda sobre a tia: “Aqui em casa, a gente ouve Dolores nas gravações e se enxerga muito nas músicas dela, no jeito de cantar. Essa influência é muito real na minha vida.”

A herança musical não parou na geração de Tony. Ele é pai de quatro: Liv, de 23 anos, que já lhe deu um neto; Georgia, que não completou nem um mês de vida; além de William, de 25, e Alex, de 14, que abraçaram a música cantando e tocando instrumentos. O mais velho, William Gordon, chegou a ser vice-campeão do programa SuperStar, em 2014, e foi quem inscreveu um Tony contrariado para se arriscar no The Voice.

Ele já vivia de música e viajava não só todo o Brasil, como também ia ao exterior para cantar. Mas, apesar de ser uma pessoa muito autoconfiante – característica que atribui à criação de seus pais desde a infância –, admite que foi contra a inscrição no programa por pura insegurança.“É muito difícil um cara com tanto tempo de carreira se expor a algo desse tamanho. Para quem tem mais idade, a aceitação do público é muito importante. Estreei sem saber o que ia acontecer, na intenção de entender e enfrentar os meus medos”, conta Tony, que confessou ter sentido um friozinho na barriga com receio de que nenhuma cadeira virasse.

Mas, ao som de You're so Beautiful, de Joe Coker, as quatro viraram e o cantor encantou com a classe, o grave, a rouquidão e a leveza da voz. O primeiro a aprovar sua apresentação foi Michel Teló, que virou a cadeira em menos de 10 segundos e antes mesmo do candidato escolher o Time Iza, chegou a dizer que queria vê-lo na final da competição: "Eu não sei se você vai vir para o meu time, mas eu tô torcendo para você ganhar o programa!", disse Teló.

Depois, perdeu batalha, mudou de time e ainda assim se consagrou vencedor da edição. Tony conta que o segredo foi focar na experiência. “O diferencial para mim foi ter chegado ali sem pensar em prêmio, sem me importar com rede social, seguidores, nada disso. Eu só me preocupava em subir naquele palco e fazer uma boa apresentação, levar algo legal para as pessoas, cantar com a minha alma. Acredito que, quando você faz com muito amor, as coisas voltam de uma forma tão bonita quanto. Desta vez, voltou em formato de prêmio. Que bom!”

Agora, a rotina já mudou e a agenda está cheia de shows. Serão 50 até dezembro e, só neste sábado, 5, dois dias após a final do programa, já fará três.

Logo, para Tony, a final do The Voice representa muito mais do que somente ganhar um prêmio. "A lição que fica é a de não desistir. A gente segue adiante para dar o nosso melhor e torce para que a vida seja algo crescente sempre. Recebi muitas mensagens, até de gente que eu não conhecia, dizendo que eu inspirei, que passei esperança para que eles sigam fazendo o que gostam, independentemente da idade”, conta.

 

Tony no The Voice


A história de Tony Gordon no The Voice começou com o pé direito. O primeiro a aprovar sua apresentação na fase das 'Audições às Cegas' foi Michel Teló, que virou a cadeira em menos de 10 segundos e antes mesmo do candidato escolher o Time Iza, chegou a dizer que queria vê-lo na final da competição: "Eu não sei se você vai vir para o meu time, mas eu tô torcendo para você ganhar o programa!", disse Teló.

O encontro entre os dois veio logo na segunda noite da fase das batalhas, quando na apresentação da música Easy, de Lionel Richie, Tony foi derrotado pela também finalista Ana Ruth e Michel Teló usou o recurso do 'Peguei' para incluí-lo no seu time.

Antes da final, em entrevista ao Estado, Michel Teló já havia dito que um dos motivos do qual se orgulha de participar do The Voice é o fato de o programa dar oportunidade para "pessoas que às vezes estão a vida inteira tentando viver de música e de repente conseguem mostrar o trabalho em rede nacional", como é o caso de Tony Gordon. Com essa temporada, o técnico segue invencível após ganhar a competição nos últimos cinco anos. "Pentacampeão. Pode colocar a quinta estrela aí", comemorou o apresentador Tiago Leifert na noite de encerramento do reality.

Vencedor com 36,62% dos votos, o resultado foi recebido com muita emoção pelo cantor, que interpretou O Portão, imortalizada por Roberto Carlos e Erasmo Carlos. A comemoração no palco incluiu um abraço que levantou Michel Teló no colo e, em seguida, a entrega do troféu para a sua mãe, que estava na plateia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.