Conheça os melhores da TV brasileira em 2007

Paraíso mandou bem na eleição dos melhores do ano na TV realizada pelo TV & Lazer

Keila Jimenez, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2007 | 00h08

Nem o criador imaginou o sucesso da criatura. Bebel (Camila Pitanga) e Olavo (Wagner Moura) roubaram a cena literalmente em Paraíso Tropical. A musa de "catiguria" do calçadão de Copa brilhou muito mais que o empresário invejoso, é fato, mas juntos eles aqueceram o ibope da trama das 9 da Globo. Reflexo sentido em nossa enquete, é claro. Com menos categorias abertas este ano para a escolha do público, a votação dos melhores da TV foi promovida pelo TV & Lazer entre os dias 16 e 19 de dezembro, no portal do Estadão. Bebel, Olavo e Paraíso abocanharam três categorias. Camila arrebentou, vencendo como melhor atriz, com 64% dos votos. A segunda colocada, também de Paraíso, foi Alessandra Negrini.Wagner Moura não teve concorrência. Bateu Tony Ramos - veja bem, isso não é pouco uma vez que o peludo ator sempre leva os prêmios em nossa enquete anual. Olavo rendeu a Wagner 58,1% dos votos na categoria melhor ator. Deixando de lado a lavada do vilão global, Heitor Martinez foi bem com seu caricato Jacson em Vidas Opostas.Paraíso também surrou as concorrentes. O público a elegeu como a melhor novela de 2007, com 52,2% dos votos. A trama que começou fraca em ibope, conquistou seu espaço, encerrando sua jornada em alta na Globo, e com muita repercussão na mídia. O segundo lugar ficou para Vidas Opostas (Record), com 23,1%, seguida por O Profeta, Duas Caras e Caminhos do Coração.   O melhor programa, de novo   Não deve mesmo ser fácil concorrer com as camisas incríveis do Agostinho (Pedro Cardoso) ou com o corte de cabelo do Beiçola (Marcos Oliveira) - que nem precisa falar em cena. É só aparecer, para arrancar gargalhadas. Tanto, que A Grande Família sai mais uma vez consagrado como o melhor programa da enquete promovida pelo TV & Lazer. Com 36,9% dos votos, o seriado venceu concorrentes que deram o que falar neste ano, como Hoje em Dia (20,5%) e o Pânico na TV (18,5%), e outros que já tiveram dias melhores, como Fantástico (13,4%) e Caldeirão do Huck (10,4%). Com uma direção de arte impecável, roteiros sagazes e um elenco que dispensa qualquer comentário, o programa mantém o mesmo fôlego desde a estréia, em 2001, levando ao ar uma mistura pop interessante - a de um humor popular, mas de piadas inteligentes e situações absurdas, nunca descambando para a vulgaridade que os humorísticos da TV aberta costumam oferecer. Não é à toa, então, que tenha vencido como o melhor humorístico simplesmente três vezes (2003, 2004 e 2005) e saído vencedor também como melhor programa em 2003 e 2005.   Jornalístico   Categoria disputada, mas sem novidades. Quem levou a melhor entre os jornalísticos foi o Jornal Nacional (25,7%) , mas passou longe da vitória fácil de eleições anteriores. O noticiário disputou voto a voto com o Jornal da Record, que ficou com 25,3% dos votos. Em terceiro lugar outro global, o Jornal da Globo, seguido pelo Jornal da Band e Jornal da Cultura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.