Multishow
Multishow

Com mais de 100 episódios inéditos, 'Chaves' chega à TV paga, exibido em ordem cronológica

Multishow começa a exibir o seriado, que tem ainda ‘Chapolin’, a partir de 21 de maio

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

06 Maio 2018 | 06h06

A notícia da estreia de Chaves e Chapolin no canal fechado Multishow, no dia 21 de maio, causou frisson entre fãs dos personagens criados pelo artista mexicano Roberto Bolaños (1929-2014). Mas não se preocupe, caro fã de Chespirito, os seriados continuam em exibição no canal de origem no Brasil, o SBT, que os mantém na programação, pois sabe que atinge um público diferente da tevê fechada. Um público cativo, que acompanha as aventuras do menino do barril desde sua estreia, em agosto de 1984. No Multishow, a exibição será diária, a partir das 23h (no SBT, sábado, às 6h da manhã, e domingo, às 9h, e de segunda a sexta, dentro do Bom Dia & Cia). 

Agora, Chaves e sua turma chegam à nova casa após um período de negociação direto com a Televisa. “Demoramos mais de seis meses, pois tínhamos que pesquisar e entender todo o catálogo, foi um trabalho longo”, conta Tatiana Costa, diretora de programação e conteúdo digital do Multishow, enfatizando que o personagem “sempre foi uma referência para nós, desde a formatação de nossos programas, ou por meio de um artista, como, por exemplo, a Tatá Werneck, que é uma fã assumida e ama o personagem”.

A diretora afirma que o seriado foi fonte de inspiração constante, “estava em nosso inconsciente coletivo em diversos momentos, então fazia sentido tê-lo em nossa grade, onde temos um humor muito democrático”. Ela completa dizendo que Chaves foi muito estudado por eles e é considerado “um humor atemporal, pueril, compondo muito bem com nosso mix de conteúdo”.

Toda a tratativa para ter a produção em sua grade teve, como conta Tatiana, a participação de uma leva de fãs, que “movimentam as redes sociais e mantêm viva a discussão em cima dos personagens, e por aí fomos construindo juntos todos os pilares para fazer dar certo, desde discutir a programação, divulgação, como iríamos trabalhar dublagem, o áudio. Foi, de fato, um trabalho a quatro mãos, o canal com os experts no assunto”.

Com seu humor infantil, há de se questionar a razão de o Multishow decidir ter o produto em sua grade, e é isso que explica Tatiana. “A gente entende que tem um público infantil, mas também sabe que, como eu e a Tatá (Werneck), que crescemos vendo Chaves, entendemos a necessidade de falar com esse público, que não tinha essa oferta na TV”, explica. “Vamos fazer uma composição de programação para atender esse público mais adulto, que é 100% fanático”, diverte-se Tatiana. “Eles têm bíblias de Chaves, conhecem todos os episódios, sinopses, foi assim que nos ajudaram numa curadoria muito relevante.”

Mas é também notável o canal decidir contratar esse humorístico, que já conta mais de 30 anos de exibição só em território brasileiro. “Ah, mas é um conteúdo tão antigo, podem dizer, mas entendemos que tem esse movimento nas redes sociais, desses fãs, o que mostra que a franquia, que é muito poderosa, conseguiu se perpetuar, conquistando as novas gerações”, constata Tatiana.

Fato importante destacado pela diretora do canal é que dos 500 episódios licenciados pelo Multishow, mais de cem são inéditos, número relevante, que surpreendeu a todos. Para a estreia, algumas ações estão no planejamento, como a provável vinda de alguns personagens e lançamento, em sessão especial, em alguma sala de cinema. Isso tudo combinado com o material impecável que o canal promete. “Fizemos um trabalho muito minucioso, purista, com dubladores originais, reconstrução da sonoplastia, efeitos especiais.” 

Um dos destaques, segundo Tatiana, é a exibição em ordem cronológica, ou seja, “vamos acompanhar a evolução de cada personagem e sua transformação. Tudo está sendo recriado para ser igual ao original e a gente vai dar a chance de o público assistir aos episódios com áudio em espanhol, vai surpreender”.

Memória afetiva ajuda a perpetuar personagens 

Seriados tomam conta da telinha, agora sendo exibidos também no canal Multishow, além de continuar no SBT

Nascido em 21 de fevereiro de 1929, o multiartista Roberto Bolaños morreu aos 85 anos em 28 de novembro de 2014. Em seu currículo, várias funções, ator, cantor, comediante, compositor, desenhista, diretor, dramaturgo, engenheiro, escritor, filantropo, humorista, pintor, poeta, produtor de televisão, publicitário e roteirista mexicano. Mas, de tudo isso, deixou um legado que permanece até hoje, que é a criação do adorado e idolatrado personagem Chaves, o menino que mora em um barril, um fenômeno de audiência.

Com seu humor singelo, conquistou toda uma geração e continua fazendo novos fãs. No Brasil, estreou em 1984, no SBT, e logo se transformou em um trunfo do canal, arregimentando um público cativo. Em mais de trinta anos de exibição, deixou de ir ao ar poucas vezes, sendo atração até hoje do canal de Silvio Santos.

Não só Chaves pertence ao imaginário dessa grande legião de fãs: os outros personagens do seriado também cativaram o público. Cada um com sua característica, como Dona Florinda (Florinda Meza), a Bruxa do 71 (Angelines Fernández), Seu Madruga (Ramón Valdés), Chiquinha (María Antonieta de las Nieves), Carlos Villagrán Eslava (Quico). 

Você pode torcer o nariz para o seriado, mas não tem como não perceber que existe nele toda uma graça infantil, de personagens com humor pueril, com suas brincadeiras de criança, histórias divertidas, por vezes emocionantes. Pensando nessa leva de pessoas que acompanham até hoje esses personagens, o Multishow decidiu colocar o seriado em horário para esse público, que tem memória afetiva, guardando os personagens na lembrança.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.