Divulgação
Divulgação

Com André Abujamra, série traz episódios inspirados em histórias do músico e de amigos

Doses de realidade permeiam ‘Sonhos de Abu’, que estreia nesta sexta-feira, 17, no Canal Brasil

Adriana Del Ré, O Estado de S. Paulo

17 de abril de 2015 | 03h00

Abu chega à agência de publicidade para uma reunião importante. À mesa, publicitários passam a ele o briefing da campanha que estão tocando – a de um novo barbeador com oito lâminas – para a qual querem que Abu faça a trilha. Confusos, eles não sabem ao certo o que almejam musicalmente, mas batem na tecla que tem de ser um jingle de “macho”. Sem saber que caminho seguir, Abu, involuntariamente, vê ideias brotarem em seus sonhos – aqui, retratados em animações. 

Extraindo comicidade de situações adversas, ao estilo de Jerry Lewis e tantos outros comediantes clássicos, esse primeiro episódio da série Sonhos de Abu, que estreia nesta sexta-feira, 17, às 23h30, no Canal Brasil, é inspirado em fatos reais. Assim como os outros 12 episódios. Há sempre uma história pinçada de experiências próprias ou alheias, contam André Abujamra e Rafael Terpins, idealizadores do projeto. “O Zé Rodrix (o amigo compositor) passou por essa situação”, conta Abujamra, referindo-se ao tal jingle de “macho” feito sob encomenda. 

O Abu da série é o personagem de André Abujamra – e que tem muito dele próprio. Nessa história de vida de Abujamra “verdadeiramente falsa” ou “falsamente verdadeira”, o roteiro não é estagnado. Pelo contrário. Os atores e não atores não só tinham plena liberdade como não encontravam outra alternativa a não ser improvisar, sobretudo nos diálogos. “Isso foi dando um tom coloquial, me incomoda muito o roteiro nas novelas e nos filmes. Não soa natural”, observa André Abujamra. 

Nesse jogo de improviso, surgiram resultados hilários, como o fagote proposto por Abu para a trilha sonora da propaganda publicitária. “A gente já decidiu que não ia ter pagode”, dispara a personagem Giovanna (da ótima Giovanna Velasco), com sotaque carregado no paulistanês. E, quando ele usa o filme O Encouraçado Potemkin como referência na reunião, a mesma personagem recusa a ‘Potranquinha’ nessa trilha. 

Segundo o músico, os não atores se sentiram mais confortáveis com essa liberdade do que os atores mais preparados. Como seu pai, o ator e diretor Antônio Abujamra, que faz participação em um dos episódios da série. Quando Antônio soube da improvisação, ele protestou, mas, no final das contas, aderiu à regra do jogo. Na série, ele faz o papel do pai de Abu, que ainda é chamado Ravengar na rua e tem compulsão por roubar talheres de restaurante. Quando Abu pergunta: ‘Por que você pega garfo’, ele responde: “É uma experiência que você não vai chegar nunca a fazer”. Há outras participações especiais, como dos músicos Edgard Scandurra, Arrigo Barnabé e Maurício Pereira (parceiro de Abujamra em Os Mulheres Negras), da cantora Zizi Possi, do cantor Carlos Careqa, do cineasta Fernando Meirelles, entre outros (leia mais ao lado).

Com criação, direção e roteiro de Rafael Terpins e André Abujamra, trilha sonora de Abujamra e Marcio Nigro, animação de Terpins – e incentivo do Fundo Setorial da Ancine –, Sonhos de Abu surgiu num almoço conciliatório, por assim dizer. “Tudo começou com uma briga”, lembra Terpins. Eles estavam envolvidos em um projeto de Leon Cakoff, em 2011. Abujamra assinava a trilha e Terpins, a parte gráfica. No meio da correria, após Leon ser hospitalizado, a produção esqueceu de enviar para Terpins o crédito de um pianista que tocou na trilha e Abujamra ficou bravo. “Tomei as dores da produtora e mandei um e-mail brigando com ele”, conta Terpins. 

E, enquanto esperava o amigo no almoço para apaziguar os ânimos, Terpins lembrou do sitcom americano Curb Your Enthusiasm e teve um insight, acolhido, com entusiasmo, por Abujamra, e que virou Sonhos de Abu. A série deve ganhar uma segunda temporada. 

PARTICIPAÇÕES

Fernando Meirelles

O cineasta faz papel de garçom 

Zizi Possi

A cantora paulistana interpreta uma florista

Arrigo Barnabé

O músico vive um manobrista

Edgard Scandurra

O guitarrista do Ira! faz as vezes de um personal trainer

Clemente Nascimento 

Líder do grupo Inocentes, ele dá vida a um ex-punk que virou cabeleireiro

Tudo o que sabemos sobre:
TelevisãoAndré Abujamra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.