RAMÓN VASCONCELLOS/DIVULGAÇÃO
RAMÓN VASCONCELLOS/DIVULGAÇÃO
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Clássico das 19h, 'Sassaricando' ganha releitura 30 anos depois

Daniel Ortiz atualiza comédia de Silvio de Abreu, de 1987, com mais romance e novos perfis, de Tancinha a Fedora

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2016 | 16h00

Muita gente confunde Tancinha com Cambalacho, mas a personagem caricata de Cláudia Raia estava mesmo em Sassaricando, novela de Silvio de Abreu de 1987 que volta à baila a partir do fim de maio, na mesma faixa das 19h, com releitura atualizada por Daniel Ortiz. Tancinha ainda será Tancinha, agora vestida por Mariana Ximenes, mas a novela foi rebatizada como Haja Coração e até toma emprestados personagens de outras histórias de Silvio de Abreu, como a Shirley Manca, de Torre de Babel, agora vivida por Sabrina Petraglia.
“Sempre quis escrever uma história sobre esse mosaico de cultura que é São Paulo, com bairros ricos ao lado de gente que trabalha dia e noite para sobreviver, com japoneses e comércios antigos ao lado de grandes shoppings”, conta Ortiz em entrevista ao Estado. “Pensei: Silvio já escreveu tanto sobre isso e tão bem, e eu comecei a gostar de novela vendo Jogo da Vida, Sassaricando, tenho a novela toda gravada em VHS. Falei: ‘quero escrever sobre essa São Paulo, esses contrastes todos, e aliar a uma novela que me marcou muito’. Então, é uma releitura, não é a mesma história”, conta. Releu a sinopse e tomou as rédeas ao seu modo de narrar. 
O autor sabe que não faltarão comparações com a trama original, especialmente em cima de Tancinha. “Acho que, quando o público assistir a Mariana da primeira vez, já vai comprar essa Tancinha dela. São atrizes completamente diferentes”, aposta. E, se no original os protagonistas eram Paulo Autran, Tônia Carrero e Irene Ravache, agora o protagonismo fica mesmo com Tancinha, Apolo (Malvino Salvador) e Beto (João Baldasserini). 

Os risos estão assegurados pelo núcleo de Cláudia Jimenez, a abastada Lucrécia Abadala, casada com Marcelo Médici e irmã de Grace Gianukas. Lucrécia ainda é tia de Fedora, papel que foi de Cristina Pereira e agora, bastante distinto, está nas mãos de Tatá Werneck.
“Eu tenho um perfil mais romântico, mas mantenho a comédia, uma comédia mais romântica, como foi Alto Astral”, diz, referindo-se à sua novela passada, quando estreou como autor titular na Globo. “Na versão original, Beto não tinha irmã, agora tem a Cleo (Pires), que será Tamara, corredora de Fórmula Pick Up e antagonista da Tancinha. O Apolo do original é completamente diferente do meu, ele era meio antagonista do trio, esse é mais mocinho, e Beto, mais antagonista.”
Apolo também quer ser corredor de Fórmula Pick Up. E, apesar da crise econômica, é fato que parte da classe mais pobre teve lá algumas conquistas materiais, o que talvez justifique a ascensão de Tancinha, moradora de um cortiço na versão original e agora abrigada por uma casinha de vila na zona leste.
A modernização da trama passa com honras pelo universo das redes sociais, tendo justamente Fedora como uma blogueira em busca da fama, e dos reality shows, com Ellen Roche no papel de uma ex-BBB que foi logo eliminada da casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.