Reprodução
Reprodução
Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Caverna.club: Todos somos Sergio Cardoso

Não importava para onde se olhasse, Sergio Cardoso e sua morte prematura, aos 47 anos, eram o assunto nacional

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2020 | 03h00

Ainda não tinha dez anos, ouvira a notícia no rádio. Sergio Cardoso, o maior ator brasileiro, havia morrido. Era o professor Luciano, de O Primeiro Amor, novela de 1972, Globo. A primeira coisa que passou pela cabeça foi um ataque ao falecido: Como um ator abandona uma novela dessa maneira? A segunda era pior. No banho, como alguém pode morrer no banho? Bobagens de calças curtas. Sergio Cardoso estava morto. Fora encontrado no chão, acabara de sair da banheira. A fita cassete tocava sua própria voz no gravador com as falas da peça que nunca encenou. Era como decorava os textos.

Marcha dos 15 mil

Comoção absoluta, o Brasil quedou paralisado com a notícia. Não importava para onde se olhasse, Sergio Cardoso e sua morte prematura, aos 47 anos, eram o assunto nacional. O enterro parou o Rio de Janeiro; mais de 15 mil pessoas compareceram. Não era para menos. Morrera Hamlet, morrera o Cancão, de O Casamento Suspeitoso, morreram ao mesmo tempo Dr. Jekill e Mr. Hyde, Henrique V, de Pirandello, morrera Tuninho, de A Falecida, e Virgulino, de Lampião. E morrera também o professor Luciano a 28 capítulos do fim da novela da qual era o protagonista. Um de seus melhores amigos e compadre, Leonardo Villar foi escalado para encarnar o professor Luciano. youtu.be/akl5gkjQ2ic 

 

Pai Tomás e Lincoln

Duas cenas inesquecíveis. A última imagem de Cardoso na novela era simbólica. Tirava os óculos e os colocava sobre a mesa. No capítulo seguinte, a mão pega os óculos e os coloca no rosto. O rosto de Leo Villar, em close na tela. A descrição da cena é contada por Villar em depoimento à ex-mulher de Cardoso, a atriz Nydia Licia, em seu livro de memórias. Mas Licia também escreveu sobre o ex-marido: Sérgio Cardoso: Imagens de Sua Arte – Um Roteiro Iconográfico (Imesp, abaixo, no link para a versão gratuita). Imagens belíssimas do Cardoso camaleão. Mudava sempre de fisionomia para se aproximar da caracterização da personagem como sonhou. Em A Cabana de Pai Tomás foi negro, quando a TV escalava brancos para fazerem papéis de negros, e também Abraham Lincoln. Adaptara-se à televisão com facilidade. Óbvio, ganhara rodagem com os grandes do teatro. Adolfo Celi, Dulcina de Morais, Ruggero Jacobbi, Cacilda Becker, Flamínio Bollini Cerri, Luciano Salce. bit.ly/33OH9jX 

'Hamlet' venceu

Hoje o paraense teria 95 anos. Vive na placa na Rua Rui Barbosa, na Bela Vista, no teatro que carrega seu nome, que completa 40 anos em outubro. Foi na rua de trás, Conselho Ramalho, que saído de uma filmagem (O Incêndio), em 1956, que viu o Cine Teatro Espéria. Naquele lugar construiu seu teatro, o Bela Vista. A estreia teve Hamlet. Foi o primeiro brasileiro a dirigir e protagonizar a peça de Will Shakespeare.

Tudo o que sabemos sobre:
Sergio Cardoso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.