ALISSONLOUBACK/ Netflix
ALISSONLOUBACK/ Netflix

‘Casamento às Cegas: Brasil’ segue formato original, mas com toque brasileiro

Novo programa é mais uma passo da Netflix em abrasileirar reality shows exclusivos de sucesso

Matheus Mans, Especial para o Estadão

05 de outubro de 2021 | 09h00

Em uma pequena sala, um rapaz está sentado à vontade, com seu caderninho de anotações. Do outro lado, uma mulher está num ambiente muito parecido, ainda que com algumas cores diferentes. Entre eles, um telão fica passando imagens abstratas e impedindo que se vejam ou se toquem. O único sentido disponível, para que possam conversar, é a audição. Essa é a premissa de Casamento às Cegas, reality show original da Netflix e que ganha os primeiros episódios da edição brasileira já nesta quarta-feira, 6.



Baseado em um formato já conhecido, sucesso na televisão aberta com programas como Xaveco, Beija Sapo e Namoro na TV e ETC, o reality aposta em uma estrutura simples: 15 homens conversam individualmente com 15 mulheres nos primeiros dias de confinamento, sem nunca ver um ao outro. Depois, indicam os seus pretendentes preferidos e passam a ter conversas mais longas e profundas. Por fim, se tudo der certo, o homem ou a mulher pede o pretendente em casamento, partem logo para a lua de mel e, claro, para o convívio.

Depois do sucesso que fez com a versão americana, lançada no começo de 2020, Casamento às Cegas: Brasil não foge muito da risca. Dos quatro primeiros episódios assistidos com antecedência pelo Estadão, o reality show mantém a essência com o mesmo número de participantes e dinâmicas similares, assim como uma edição cautelosa. Percebe-se, também, que a direção do programa trabalha em busca de personagens marcantes e de personalidade forte, deixando alguns competidores de fora das câmeras.

Os apresentadores Camila Queiroz e Klebber Toledo, que são um casal na vida real, seguem os mesmos passos da apresentação americana. Para quem se lembra de Silvio Santos perguntando após uma dança de valsa se era “namoro ou amizade” no programa Em Nome do Amor, vai sentir falta de algumas interferências e até mesmo de comentários que poderiam colocar fogo no andamento do programa. Mas, neste reality da Netflix, a preferência é mexer os peões apenas atrás das câmeras e deixar um andamento natural. 

O que se percebe, e acaba dando um tempero brasileiro, é a boa seleção de participantes, mostrando toda a diversidade que existe no País. Há pretendentes de várias regiões do Brasil, assim como de diferentes perspectivas sociais - destaque para Ana Prado, Fernanda Terra, Rodrigo Vaisemberg e, principalmente, Dayanne Feitoza, que protagonizam as melhores cenas e momentos dessa versão do reality. O único porém fica para a seleção padronizada de participantes, sempre magros e heterossexuais, sem espaço para outros tipos de corpos e sexualidades.

 


 

Netflix em verde e amarelo

Esta não é a primeira vez que a Netflix adapta um reality show de sucesso para terras brasileiras. The Circle, que foi lançado originalmente nos Estados Unidos, já ganhou sua versão com participantes brasileiros - além de uma outra edição francesa. Brincando com Fogo, que proíbe que casais tenham qualquer contato romântico ou sexual durante sua estadia, também já ganhou uma versão brasileira para chamar de sua, assim como outra da América Latina. Por fim, ainda tem O Crush Perfeito, edição do Brasil para Dating Around.

Essa movimentação, ainda que mais concentrada em programas de televisão focados em relacionamentos, mostra como a Netflix está em busca dessa expansão mais agressiva na América Latina, com foco no Brasil. Além disso, mostra como o serviço de streaming já entendeu que focar nesse tipo de programa no País pode ser vantajoso, dado o histórico da televisão aberta com reality shows de sucesso, como Big Brother Brasil e A Fazenda. Talvez a Netflix ainda não tenha encontrado algo de sucesso tão abrangente, mas está em busca.

Só é preciso tomar cuidado para não investir em programas similares ou saturar com muitas versões, como é o caso de Mandou Bem, reality de culinária também da Netflix, que já conta com seis edições diferentes, de países como México, França e Espanha. Por isso é tão importante trazer o tempero de cada lugar, dando um ar de novidade para cada produção. Casamento às Cegas: Brasil não vai tão longe, mas pelo menos tem o DNA do País - e vai chegar aos poucos à Netflix, com episódios novos em 6, 13 e 20 de outubro. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.