Divulgação
Divulgação

'Cantoras do Brasil' recria divas da música brasileira

Programa propõe diálogo entre mulheres da geração musical atual e estrelas como Carmem Miranda e Elis Regina

Paula Carvalho - estadão.com.br,

06 de setembro de 2012 | 11h00

Dalva de Oliveira será a primeira homenageada da série Cantoras do Brasil, que estreia nesta quinta-feira, 6, no Canal Brasil. Tulipa Ruiz interpretará dois de seus clássicos: Fim de Comédia e Que Será. O programa, de 13 episódios, propõe que a nova geração de mulheres cantoras do Brasil homenageie divas de diversos estilos, como Nara Leão, da bossa nova, Ademilde Fonseca, do choro, e Celly Campelo, do rock.

"Quando me veio o convite, de cara escolhi homenagear a Clementina de Jesus. A história dela parece muito com a da minha avó paterna, que era negra, escrava, e cantava pra mim cantigas de jongo. Ela também recebia muito carinho da classe artística: Chico Buarque, João Bosco, Elis e Clara Nunes amavam ela. Tudo isso me fez querer homenageá-la", comentou Gaby Amarantos, que interpreta Na Linha do Mar e Fui Pedir às Almas Santas.

Um dos pontos altos do programa é a participação da recifense Lulina, cantando a divertida História Difícil, sucesso na voz de Ademilde Fonseca. Ela também escolheu Apanhei um Resfriado, de Miriam Batucada: "As duas cantoras têm vozes fortes, inconfundíveis, com muita personalidade. A Ademilde tem uma importância histórica: foi a primeira mulher no choro", disse Lulina.

Cantoras do Brasil foi concebido sob um clima intimista, criado pelas gravações com uma banda em estúdio, em preto e branco e com figurinos da época. Mas isso não impede que o estilo e a personalidade das jovens cantoras seja um dos aspectos mais importantes para a releitura das músicas: Lurdez da Luz, por exemplo, cria um rap em meio a Opinião, e Mallu Magalhães ajuda a recriar os arranjos de Manhã de Carnaval. Divas têm, antes de tudo, personalidade. 

As escolhas

Luisa Maita

"Elis tinha uma ligação verdadeiramente emocional com a canção. E, justamente por isso, não era uniforme, nem na interpretação, nem no repertório - tinha muita dinâmica."

Blubell

"Não escolhi a Sylvia Telles apenas por ela ser representante da Bossa Nova, movimento da música brasileira de grande influência pra mim. Escolhi essa pequena notável porque sua interpretação era cheia de autenticidade e de bom humor."

Roberta Sá

"É um privilégio poder interpretar essas canções imortalizadas pela Carmen, que é uma grande referência pra mim. Seus acertos musicais e tropeços na vida pessoal são exemplos."

Cantoras do Brasil

Quintas-feiras, às 18h45 no Canal Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.