DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Canal Brasil atinge marca de 150 filmes coproduzidos para o cinema

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

11 de junho de 2016 | 03h00

Começou em 2008, com Lóki, documentário sobre a vida do mutante Arnaldo Baptista, a longa lista de produções abraçadas pelo Canal Brasil para o cinema. Agora, o canal chega à marca de 150 títulos para a tela grande feitos sob sua chancela. A proposta ganhou mais fôlego de 2008 para cá, incluindo aí o êxito de Cinema Novo, de Eryk Rocha, uma coprodução do Canal Brasil, vencedor na categoria Olho de Ouro do Festival de Cannes, há um mês. De alguma forma, a criação de novas formas de fomento na legislação também impulsionaram o movimento.
Ao longo do calendário de 2015, a emissora assinou seus créditos em 43 filmes. Em 2016, até aqui, já são 26. Entre as coproduções mais recentes estão Eu Sou Carlos Imperial, de Renato Terra e Ricardo Calil; A Luneta do Tempo, de Alceu Valença; Big Jato de Cláudio Assis; Boi Neon de Gabriel Mascaro e Muitos Homens Num Só, de Mini Kerti.
O saldo endossa a relevância das alianças que a TV tem feito com o cinema, exercendo aí um papel não só de apoio financeiro, mas, principalmente, de curadoria e visibilidade. A presença de um canal de TV conspira a favor da distribuição do filme, que por sua vez também acaba incentivando a audiência de sua exibição na TV. 
Na mais recente edição do É Tudo Verdade, festival de documentários, o Canal Brasil tinha oito filmes concorrendo em diferentes categorias, entre eles O Futebol, de Sergio Oksman, grande vencedor do evento. É um histórico que explica o aumento desse saldo na próxima edição do Festival do Rio, quando o Canal Brasil estará presente com 13 coproduções.
De volta ao set. Bruno Gagliasso já está vestido como Mario, moço ligeiramente imaturo e protagonista de Sol Nascente, próxima novela das seis da Globo. No enredo de Walther Negrão, Júlio Fischer e Suzana Pires, ele fará par com Giovanna Antonelli. Estreia em agosto. 
Marcelo Serrado e Lucy Alves, que nunca gravaram juntos em Velho Chico, passam a se frequentar em cena. Carlos Eduardo e Luzia vão se aliar, contra a reaproximação de Santo (Domingos Montaigner) e Teresa (Camila Pitanga), na novela das 9.
Padre corintiano fanático, Jefferson Mengali é personagem do Esporte Espetacular, amanhã, 12, na Globo. Ele canta o hino nas missas, já foi à Capadócia, na Turquia, para estudar a história de São Jorge, e, cereja do bolo, é conselheiro espiritual do técnico Tite.
Fábio Porchat começa a honrar seu contrato com a Record. Nesta segunda, 13, ele estará no programa da Xuxa, onde encontra a mãe, a irmã e a avó, que falam de sua infância.
“Apesar de ser o melhor treinador que tive, o Luxemburgo, mesmo consagrado, é inseguro até hoje” 
Edmundo AO ‘AQUI COM BENJA’: DOMINGO ÀS 2H, NA FOXSPORTS
18%
cresceu a audiência do seriado ‘Chapa Quente’ na Grande São Paulo, comparando os 10 episódios da safra atual, que chegou a 20 pontos de saldo, com os 10 episódios da 1ª temporada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.