EFE/Peter Foley
EFE/Peter Foley

'Caminho das Índias' conquista Emmy de melhor telenovela

Novela de Glória Perez, com Juliana Paes e Rodrigo Lombardi, foi a 1.ª produção brasileira a receber o prêmio

Efe,

24 de novembro de 2009 | 04h52

A produção da TV Globo Caminho das Índias conquistou na segunda-feira, 23, em Nova York o Emmy Internacional de melhor telenovela, consagrando-se como a primeira produção nacional a receber o prêmio, numa cerimônia que rendeu cinco troféus à Grã-Bretanha.

 

forum   Are baba! "Caminho das Índias" leva Emmy Internacional

 

"É o primeiro Emmy Internacional que recebe uma produção brasileira e isso é algo muito importante", disse em declarações a Efe a roteirista da série brasileira, Gloria Perez, que agradeceu "a paixão e o trabalho" que entregou sua equipe ao projeto e que fez com que se superem "muitas dificuldades pelo caminho".

 

Glória, responsável por uma história de amor que se passa entre a Índia e o Brasil, se mostrou também "muito emocionada", porque "a telenovela é algo muito próprio do Brasil", um país que contava com cinco indicações aos prestigiosos prêmios que hoje celebraram sua 37.ª edição.

 

Na cerimônia, apresentada pelo humorista irlandês Graham Norton, foram entregues um total de 12 estatuetas destinadas a premiar o melhor da televisão realizada ao redor do mundo, com exceção dos Estados Unidos.

 

Só um desses prêmios foi para um país latino-americano. Argentina e México também concorriam em distintas categorias.

 

"Os Emmy Internacionais são os prêmios mais importantes da televisão. Trata-se de um reconhecimento ao talento de todas as pessoas ao redor do planeta que criam televisão de grande qualidade", disse Bruce Paisner, presidente da Academia Internacional das Artes e as Ciências Televisivas, que organiza os prêmios.

 

O jornalista britânico David Frost recebeu um prêmio em reconhecimento a seus 40 anos de carreira na televisão. Frost entrou para a história ao entrevistar o ex-presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon após sua renúncia.

 

"Me sinto absolutamente honrado por receber um prêmio desta categoria que já laureou pessoas importantes como Steven Spielberg ou Oprah Winfrey", disse Frost, pouco antes de subir ao palco a recolher o prêmio especial do júri.

 

Outros prêmios

 

As produções britânicas venceram os concorrentes do Japão, Polônia e Filipinas nas categorias de melhor ator e atriz, graças às interpretações de Ben Whishaw na série Criminal Justice e de Julie Walters em A Short Stay in Switzerland, assim como nas de melhor documentário (The Ascent of Mooney, sobre a relação entre fatos históricos e as finanças mundiais), melhor programa de arte (The Mona Lisa Curse, sobre o mundo da arte contemporânea), e melhor programa infanto-juvenil (The Dustbin Baby) .

Mas, apesar da festa britânica, houve neste ano uma distribuição mais equilibrada de prêmios, que foram concedidos também a Dinamarca, Japão, Alemanha, Holanda e Brasil.

A melhor comédia foi a japonesa Contos de Hoshi Shinchi, baseada em histórias desse escritor; o melhor drama, a série dinamarquesa Os Protetores, sobre o serviço de inteligência do país.

A alemã Os Lobos de Berlim, sobre gangues juvenis do pós-guerra, ganhou na categoria minissérie ou telefilme. A holandesa O Telefone, que leva a uma aventura com prêmios participantes que atendem ao toque de um telefone público, foi o melhor programa não-roteirizado (o que inclui reality shows).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.