Cadeira cativa

Fiel freqüentadora do auditório de Hebe fez até cirurgia de redução do estômago graças à loira

Julia Contier, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2008 | 00h01

Perpétua Lopes nasceu em Portugal e mudou-se para o Brasil aos 3 anos. Hoje, aos 53, conta que já foi feirante, chegou a pesar 110 kg e sofreu de depressão. A felicidade só chegou há cinco anos, quando Hebe conseguiu com que ela fizesse uma redução de estômago, de graça. "Se sou feliz hoje, devo tudo a ela. Nem sei dizer o tamanho do meu amor, só sei que até hoje fico trêmula quando eu fico perto", conta a fã, que freqüenta a platéia há 33 anos. E quando o programa gravava em outros Estados, Perpétua se programava para ir também - já esteve em Belo Horizonte, Rio, Porto Alegre, Florianópolis e até em um cruzeiro. "Tudo para estar ao lado dessa pessoa maravilhosa."Assim como Perpétua, uma legião de fãs da apresentadora coloca a loira no altar. Fiéis, não perdem a gravação por nada. As famosas "macacas de auditório" não precisam pagar para ver a musa de perto e, dependendo do caso, ganham até cadeira cativa. Uma regalia para poucos.Vera Lúcia Simão já foi macaca de Roberto Carlos, Vanderléia, Silvio Santos, Raul Gil, Ana Maria Braga, Adriana Galisteu, Faustão e Xuxa. No entanto, acompanha Hebe há 19 anos e faz questão de reafirmar os votos pela loira. "Desses todos, quem eu amo é a Hebe". A veneração tem motivo especial. "Sem a Hebe a semana não é a mesma. Eu perdi um filho com 24 anos e fiquei um ano sem vir. Quando voltei, foi uma bênção pra mim. Essa energia boa que ela tem é um dom."Apesar da boa energia do programa, a diversão começa antes da gravação. A turma de amigas toma um café - uma traz bolo, a outra, um salgado e elas batem papo. "A gente fica conversando sobre as atrações do programa, come um pouquinho e dá risada. É uma farra", diz Celeste da Conceição Ribeiro. "Eu adoro a Hebe, por isso que faço todo esse esforço, faça chuva ou faça sol, estou aqui."

Tudo o que sabemos sobre:
programas de auditorioaudiencia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.