Cabeça pequena

O fiscal da TV paga analisa o negócio do show da telinha

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2009 | 20h58

. Olha só esse caso. Não tem nada a ver com os canais da TV paga, mas é revelador do mundo à parte em que vive o negócio do show na telinha. Liga uma mulher, voz jovem, convidando para a festa do lançamento de uma nova novela. Dispara uma metralhadora de palavras para, sem intervalo, informar que haverá comilança, bebida e que todo o elenco estará presente, sim, mas, com uma só ressalva: "...os atores não responderão perguntas sobre a sua vida pessoal". Aproveito a deixa para sair fora do mico e recusar o convite. A moça reage como seu tivesse me recusado a beber no Graal, o cálice sagrado. "Como assim, você não vai?!", pergunta. Explico com paciência que não tenho interesse nesse tipo de evento e nem na fofocagem de cama e mesa. Digo que minha relação é com a TV a cabo, e na mera condição de freguês, de consumidor. Não ganho nem um obrigado pela atenção dispensada.   Até fevereiro não há esperança: a programação será mesmo de reprises. Entretanto, hoje há um drama de valor, "Terra e Liberdade" (Cult, 22h) de Ken Loach, ambientado na Guerra Civil espanhola.   Começou o Fashion Week. David Letterman sob risco no GNT.

Tudo o que sabemos sobre:
Fiscal da TV paga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.