João Dotta/Divulgação
João Dotta/Divulgação
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Busca pela Atlântida guia nova trama das 7

Personagens trocam civilização por comunidade alternativa próxima à selva em ‘Além do Horizonte’, que estreia dia 4

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2013 | 20h39

Gente que desaparece. Comunidade alternativa. Sociedade regida com código de normas muito particular. O mundo secreto da próxima novela das 7 justifica o título Além do Horizonte, primeiro folhetim assinado por Marcos Bernstein e Carlos Gregório. No lugar das manjadas locações internacionais que costumam enaltecer os primeiros capítulos de uma novela na Globo, um cenário amazônico se impõe desta vez, o que implica gravações in loco e cidade cenográfica no Projac, com direito a palafitas, reproduzindo cidade e comunidade vizinhas a uma selva cheia de mistérios.

“A ideia começou com pessoas que procuram lugares míticos, a Atlântida, o Eldorado, ou lugares onde elas possam ser felizes: o quão longe você é capaz de ir para buscar a felicidade, algo diferente do seu dia a dia, que você acha que não te preenche?”, questiona Bernstein, que traz no currículo a minissérie A Cura e o filme Central do Brasil, ambos com João Emanuel Carneiro.

“Na nossa novela, as pessoas são capazes de largar tudo e desaparecer sem deixar notícias nem pistas”, diz Bernstein. Tanto ele quanto Gregório – ambos trabalharam juntos como colaboradores da novela A Vida da Gente, de Lícia Manzo – rebatem a concepção de que sua trama é uma espécie de Lost, série americana que mobilizou fãs pelo mundo todo. “Nós não assistimos nada do Lost”, diz Gregório. “Eu assisti a um capítulo e meio, não me pegou, ainda que a ideia seja boa”, completa Bernstein.

A novela aqui começa com dois jovens que largam suas famílias. Uma deixa pistas ao namorado, mas ele não quer embarcar nisso. Ela avisa que está indo em busca de sua felicidade. Um outro personagem simplesmente desaparece, mas a família entra em parafuso, porque uma tia sua já sumiu anos atrás. E a narrativa acompanha a trajetória dessas personagens que deixam o Rio de Janeiro em busca de outro universo.

A gente acompanha o sumiço e a jornada deles para ir a algum lugar que a gente não sabe qual é, mas não vai demorar muito para a gente (telespectador) saber – no primeiro mês, a gente já saberá: o grande mistério não é para onde eles vão, mas como vão, por que vão, qual a reação de quem fica e de quem chega lá. É muito mais isso do que ‘que lugar é esse?’”, explica Bernstein. 

O elenco conta com Flávia Alessandra, Juliana Paiva, Christiana Ubach, Mariana Rios, Laila Zaid, Sheron Menezes, Marcello Novaes, Alexandre Borges, Alexandre Nero, Thiago Rodrigues, Vinicius Tardio, Rodrigo Simas, Yanna Lavigne e Maria Luisa Mendonça. Mais recentemente, a produção acertou o nome de Cláudia Jimenez como Zélia, uma pessoa que vive na comunidade alternativa da história.

A simples menção a Cláudia Jimenez pode dar ao leitor a ideia da clássica comédia de novela das 7, mas Além do Horizonte escapa desse rótulo. “Tem muito mistério e tem humor espalhado por todos os personagens, mas não tem núcleo específico de humor. A ideia é misturar isso entre todos”, diz Gregório. “Mas é claro que há núcleos mais engraçados, com algum exagero para a comédia, e outros, menos.”

O clima de mistério é aguçado pela fictícia cidade na Amazônia onde seria a “última fronteira”. “É uma cidade inventada na nossa floresta tropical, que pode ser a Amazônia ou não, é uma cidade isolada do mundo, onde não tem nem telefone”, conta Bernstein. “Esse lugar vive sob o medo de lendas de que as pessoas não podem entrar na mata.” A história se divide entre o Rio, a fictícia Tapiré e a comunidade alternativa.

A equipe esteve gravando na Amazônia e reproduziu parte do cenário no Projac. A figurinista Karla Monteiro também esteve em Manaus e Belém, de onde trouxe tecidos para confeccionar as roupas dos personagens do núcleo de Tapiré. A direção é de Gustavo Fernandez, com direção de núcleo de Ricardo Waddington.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.