Brasileiras sim e de alta qualidade

Já começo o texto pedindo desculpas aos leitores porque não resisti à moda de fazer uma retrospectiva. Afinal, 2007 foi um ano bacana para a produção nacional de séries. Quem mais se arriscou foi a Sony, com a versão do America's Next Top Model, o reality de Tyra Banks que é sucesso nos EUA. Como não me canso de falar, a atração recebeu aqui o ridículo nome de Brazil's Next Top Model, mas a produção foi cuidadosa, o júri bem escolhido e até Fernanda Motta se redimiu de um mau começo. E o que falar de Pazetto? Ele roubou a cena! O programa foi viciante - não perdi um único episódio -, as críticas às meninas foram consistentes e o júri levou o trabalho a sério. Mariana Velho era a vencedora desde sempre, mas isso já é mérito dela. E Lívia Maria divertiu o público com seu desequilíbrio emocional e carisma - tudo ao mesmo tempo agora. A HBO dispensa comentários e esse ano atacou com a segunda parte do 1º ano de Mandrake, com a Conspiração Filmes. Arrasou. A Hispaniola também merece ser mencionada por trazer Amazing Race - Corrida Milionária, formato da Buena Vista, exibido na Rede TV! Por falar na emissora, Donas de Casa Desesperadas poderia até dar certo, mas não deu... Elenco equivocado e atores argentinos dublados não convenceram e a adaptação matou o ótimo texto de Marc Cherry! E 2008 trará mais novidades. Alice, da HBO com a Gullane Filmes, promete uma boa história, assim como 9 mm, da Fox com a Moonshot - mesma produtora do Brazil's Next Top Model, que deve ter um 2º ano. Assim espero. Só falta alguém trazer Project Runway. Quem se candidata?

Etienne Jacintho, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2007 | 20h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.