Matt Slocum/ AP
Matt Slocum/ AP

Bill Cosby diz a policiais que tocou, mas não fez sexo, com acusadora

Comediante está enfrentando seu segundo julgamento por abuso sexual

Reuters

18 Abril 2018 | 10h47

Bill Cosby disse a detetives que o interrogaram pouco depois de ser acusado de agredir sexualmente uma ex-amiga na casa dele na área de Filadélfia em 2004 que tocou, mas não fez sexo, com sua acusadora, disseram procuradores nesta terça-feira, 17.

Cosby, comediante de 80 anos conhecido por estrelar o programa de televisão de sucesso The Cosby Show nos anos 1980, está enfrentando seu segundo julgamento em um tribunal da Pensilvânia, onde é acusado de drogar e atacar Andrea Constand. O júri que participou de seu primeiro julgamento no ano passado não chegou a um veredicto sobre estas acusações.

Nesta terça-feira o novo júri ouviu depoimentos da polícia do município de Cheltenham, que investigou o caso inicialmente devido às acusações de Andrea, ex-diretora de operações do time de basquete feminino da Universidade Temple, onde Cosby se formou.

À época os procuradores se negaram a processar o humorista, que acabou sendo acusado no final de 2015, pouco antes de o crime prescrever.

O sargento de polícia Richard Schaffer leu para o júri uma transcrição de um interrogatório policial de 2005 no qual Cosby disse ter tido um encontro sexual consensual com Andrea, mas que não chegou a consumá-lo.

“Não senti vontade”, disse Cosby no interrogatório, segundo Schaffer. “Eu gostava de acariciar, tocar”.

Andrea Constand é uma de cerca de 50 mulheres que acusaram Cosby de agressões ocorridas durante décadas, mas seu caso é o único recente o suficiente para ser submetido a um processo criminal.

Cosby nega qualquer delito e afirma que todo e qualquer contato sexual foi consensual. Ele pode enfrentar uma pena de 10 anos de prisão se for condenado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.