ALINE MASSUCA/ESTADÃO
ALINE MASSUCA/ESTADÃO

Bianca Bin se prepara para viver Marquesa de Santos na novela 'Novo Mundo'

Em boa fase de sua carreira, a atriz despede da novela ‘Êta Mundo Bom!’, que chega ao fim na sexta-feira, 26

Adriana Del Ré, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2016 | 05h00

No início de Êta Mundo Bom!, Maria, papel da atriz Bianca Bin, já trazia consigo uma carga dramática – seu noivo morre, ela descobre que está grávida e é expulsa de casa. Mas não se tinha ideia de que a personagem cresceria tanto dentro da novela das 6, de Walcyr Carrasco, a ponto de ela ganhar ares de protagonista. Nem mesmo a própria atriz. Chegou-se a falar que Bianca passou a chamar mais atenção do que Débora Nascimento, a atriz principal, que interpreta Filomena, par romântico do também protagonista Candinho (Sergio Guizé). Isso teria garantido a Bianca, consequentemente, mais espaço para sua mocinha sofredora, que passou a participar de desfechos importantes na novela.

Bianca Bin não gosta de tal comparação. “Não se faz um elogio comparando, que foi o que aconteceu e me chateou. Se for elogiar, elogia o meu trabalho, fala de mim e não da minha colega”, reivindica a atriz paulista, de 25 anos, em entrevista ao Estado, do Rio. “Acho comum o que aconteceu com a minha personagem numa novela. É uma trama aberta. As tramas têm um respiro, aí outra se destaca mais num dado momento, depois volta o foco para a anterior, o que é ótimo para a gente quanto ator, porque há um descanso também. Os dois trabalhos são bons e merecem ser reconhecidos.”

Na novela, sua Maria, mãe solteira, vê todas as portas se fecharem, mas encontra a acolhida de Anastácia (Eliane Giardini), que a contrata como empregada. Além de conquistar visibilidade, a personagem, aos poucos, também foi demonstrando uma força que não lembrava em nada aquela frágil moça do começo da trama. Claro, sem perder a ternura. Após enfrentar percalços, ela finalmente se acertou com o amado Celso (Rainer Cadete) nessa reta final de Êta Mundo Bom! “Maria intui tudo, ajudou a desenrolar muita coisa na trama. Sem ela, tudo seria bem diferente. E foi passeando por todos os núcleos justamente por causa dessa vontade de investigar, de tentar desmascarar os grandes vilões.”

A novela termina na próxima sexta-feira, 26, com o mérito ainda de alavancar a audiência novamente do horário. A que ela atribui esse sucesso? “A novela trata de amor, de esperança, é leve, e é um tempo que a gente está precisando desse otimismo, dessa injeção de ânimo. Acho que a novela traz isso tanto para a gente que a faz quanto para quem a assiste.”

Com uma carreira ainda curta, mas em ascensão, que teve início em Malhação, em 2009, Bianca já sentiu o gosto do protagonismo como mocinha em outros dois momentos marcantes, em que sua atuação também foi elogiada: como Açucena, em Cordel Encantado (2011), e Amélia, em Joia Rara (2013). “Cordel Encantado foi um divisor de águas na minha vida, foi uma personagem muito distante de mim, uma sertaneja, um jeito de falar muito diferente do meu.”

Pela sua trajetória, também passou uma vilã, que ela defendeu com doses de crueldade em Guerra do Sexo (2012), como Carolina. “Ela era completamente sem caráter, ambiciosa, vinda de família humilde. Uma delícia de trabalho com Drica Moraes e Fernando Eiras (que viviam os pais), que são dois atores que admiro muito”, lembra a atriz, que diz não ter preferência por mocinhas ou vilãs. “Eu não saberia escolher. Claro, é muito diferente uma coisa da outra, mas, para mim, a dificuldade na composição da personagem é a mesma, a dedicação é a mesma. A minha vida é sempre assim, as coisas chegam até mim e eu procuro não dizer muitos ‘nãos’.”

Bianca disse ‘sim’ ao teatro quando ele atravessou seu caminho, por acaso. Nascida em Jundiaí, cresceu em Itu, interior de São Paulo. Lá, uma amiga a chamou para fazer aula de teatro no colégio. Foi convencida pelos elogios dirigidos à professora – e pela vontade de vencer a timidez. Começou a fazer o curso aos 12 anos e, aos 16, se mudou para São Paulo, para estudava na Escola Célia Helena. Com o apoio dos pais. “Mas não consegui concluir porque passei em uma bateria de testes para a Oficina de Atores da Globo. Tive de me mudar para o Rio”, conta ela. “Comecei a cursar a Oficina, só que também não cheguei a concluir porque apareceu teste para Malhação e passei.”

A atriz não parou mais de trabalhar, engatando um projeto no outro. E agora não vai ser diferente. Após se despedir de sua Maria, em Êta Mundo Bom!, ela terá pouco tempo de descanso antes de se dedicar à novela Novo Mundo, com direção de Vinícius Coimbra, que entrará na faixa das 18 horas no ano que vem. Bianca será a Marquesa de Santos, amante de D. Pedro I. Maitê Proença eternizou a personagem na minissérie Marquesa de Santos, na extinta TV Manchete, na década de 1980. “Mulheres sensuais... É um lado meu que não trabalhei tanto aqui na TV”, observa a atriz. “Não é minha zona de conforto, é um grande desafio.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.