João Miguel Júnior/TV Globo
João Miguel Júnior/TV Globo

Belíssima: Bia Falcão é a vilã e Vitória, a sua filha

Reprisada no Vale a Pena Ver de Novo, novela chega ao último capítulo nesta sexta, 11

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2006 | 23h05

Matéria publicada originalmente no dia 7 Julho de 2006

Bia Falcão (Fernanda Montenegro) é a vilã que mata André (Marcelo Antony), Medeiros (Ítalo Rossi) e a secretária Ivete (Angelita Feijó), no último capítulo de Belíssima. Vitória (Cláudia Abreu) é a sua filha. Antes de morrer, no hospital, André recebe a visita de Júlia (Glória Pires) e revela o nome de Bia como a grande vilã da história. Já a informação de que Vitória é filha de Bia acontece na delegacia, feita por uma mulher que era vizinha dos pais adotivos de Vitória.

O último capítulo é dominado por Fernanda Montenegro/Bia Falcão.Segundo a assessoria da Rede Globo o índice de audiência média prévia do capítulo em São Paulo foi de 60 pontos, com 80% de share, o que significa que 80% dos televisores ligados no horário estavam sintonizados na Globo.

O suspense não bateu o recorde de 66 pontos obtido pela novela antecessora no horário, América, de Glória Perez.Em Belíssima, o capítulo final também explica o sumiço de Bia no meio da novela: ela estava na Suíça, armando seu plano, com a ajuda de Medeiros (Ítalo Rossi) e da secretária Ivete (Angelita Feijó) e passou pelo Rio de Janeiro para conversar com seus investidores quando foi vista por Júlia em um shopping. Bia conta a Júlia que voltou quando soube que ela iria exumar seu corpo. Júlia diz que Bia nunca foi dona da Belíssima e enquanto ela era submissa tudo ia bem, mas quando Júlia começou a tomar as rédeas do negócio então Bia armou o golpe. Do drama para a comédiaO último capítulo começa com o tiro dado por Bia atingindo André, que acompanhou Vitória (Cláudia Abreu) até o aeroporto para resgatar sua filha Sabina (Marina Ruy Barbosa) das mãos de Bia. Ela pretendia seqüestrar a menina e levá-la para a Europa.

Fica esclarecida a gravação para a qual alguns atores foram convocados sem saber quem era o morto: Cemil (Leopoldo Pacheco), Mônica (Camila Pitanga), Júlia (Glória Pires) e Alberto (Alexandre Borges): André.A narrativa corta do drama para a comédia o tempo todo. O musical das vedetes é um dos momentos leves, com Carmem Verônica como Mary Montilla e Íris Bruzzi, como Guida Guevara abrindo a cena para a vedete das vedetes, Virginia Lane, e outras: Marly Marley, Lia Mara, Lila Fernandes, Teresa Costelo, Vitória Régia, Maria Quitéria, entre outras.

Uma despedida triste e misteriosa de Giovanna (Paolla Oliveira) e seu primo Mateus (Cauã Raymond) que embarca não se sabe para onde, vem seguida de uma cena engraçada, em que ela vai se encontrar com Cyro (Nicola Siri) na mesa de um restaurante em que se sentam juntos com Érica (Letícia Birkheuer) e Alberto (Alexandre Borges) - dois casais formados por pais e filhas. A revelação de quem é o filho de Bia Falcão vem entremeada às cenas de casamento entre Jamanta (Cacá Carvalho) e Regina da Glória (Lívia Falcão). Jamanta avisa outra vez que não pode se casar.

Ele tinha razão. Sua verdadeira mulher entra com vários filhos dentro da igreja. É Luzineide (Eliane Costa), personagem de Torre de Babel, novela exibida em 1998, também de onde vem o personagem de Jamanta.

A impunidade. Bia Falcão foge para Campos do Jordão. O delegado Gilberto e Vitória vão até lá. Cena entre mãe e filha. Vitória conta a verdade para Bia. Frieza total. Bia diz: "Eu não quis você quando você nasceu e não quero você agora, eu não quero você nunca na minha vida". Vitória responde: "eu não sinto nem amor, nem carinho, nem nada por você. Vim aqui para olhar bem para você e dizer que eu sobrevivi. Eu venci, Bia Falcão, Eu venci você." Bia pede para ir ao toalete pois sente-se mal. Um carro sai em disparada. Os policiais o seguem, enquanto ela escapa de avião. Vitória vai pessoalmente contar a Murat (Lima Barreto) que é sua filha. Safira (Cláudia Raia) e Pascoal (Reynaldo Gianecchini) não resistem mais e se jogam nos braços um do outro com tanta violência que o muro cai e a rua inteira os vê nus, na oficina. Resultado: mais um casamento.

Na Grécia, Nikos (Tony Ramos) e Júlia se encontram, Sabina aparece e leva Nikos até Cemil, que o chama de pai. Nikos o ensina a dançar à moda grega.Cyro e Alberto assistem suas mulheres e filhas posando. Os casais gays se formam: Rebeca (Carolina Ferraz) aparece ao lado de Karen (Mônica Torres), brindando em um iate ao mundo novo que Érica lhe mostrou. Gigi sai do teatro com um dos funcionários do espetáculo, deixando as vedetes com seus respectivos companheiros, Djulian (Giácomo Pinotti) com Mary e Takae (Carlos Takeshi) com Guida. Ornela (Vera Holtz) arranja outro garotão e Tosca engata um caso com o pai da nora.

Vitória fica com Gilberto. Murat (Lima Duarte) e Katina (Irene Ravache) reúnem a família em festa no casarão grego.Bia Falcão em Paris, olha a cidade do alto, em uma belo e amplo apartamento. Sozinha? Não, com Mateus.Júlia e Nikos se casam na Grécia, cena de cartão postal.Audiência chega aos 60 pontos do ibopeA história de Bia Falcão, a vilã que rouba e mata três pessoas e termina bem de vida com um belo garoto de programa em Paris, não conseguiu superar a audiência de América, a trama que começou fraca e terminou recordista de audiência no último capítulo com o suspense criado em torno do que deveria ser o primeiro beijo gay da televisão brasileira.

O beijo entre Júnior, personagem de Bruno Gagliasso, e o peão Zeca, vivido por Erom Cordeiro, acabou sendo censurado pela Globo. Para bater América, Belíssima deveria registrar mais de 66 pontos no ibope. Tarefa difícil, pois novela colecionou altos índices desde segunda-feira, quando registrou 57. Na terça, foram 56 pontos de audiência e, na quarta, novamente 57, e 59 no penúltimo capítulo. Belíssima pode não ter conseguido o recorde com seu gran finale, mas tem grandes chances de bater a média do ibope do primeiro ao último capítulo, já que, até esta sexta, conseguiu 48 pontos, com 70% de share. Nesse quesito, América registrou 49 pontos, Senhora do Destino teve 50 e a recordista, O Rei do Gado, 52 pontos.A história de BelíssimaJúlia (Glória Pires) comandava o império de peças íntimas montado por sua avó Bia Falcão (Fernanda Montenegro) em cima da imagem de sua mãe Stella (que sempre foi um fantasma).

Stella foi uma modelo, a tal belíssima, que dá nome à fábrica, e que morreu num acidente deixando os filhos pequenos - além de Júlia, Pedro (Henri Castelli) - para serem criados pela avó. Bia passou a vida toda fazendo pouco caso da neta, culpando-a por não ter herdado o brilho da mãe. Com a auto-estima à míngua, Júlia conhece o belíssimo André (Marcello Antony) que, agora se sabe, tentou e conseguiu dar um golpe do baú. O caso é que não foi um golpe do baú qualquer, mas um golpe do baú montado por Silvio de Abreu, um fã declarado do mestre do suspense, o cineasta britânico Alfred Hitchcock. André roubou toda a fortuna de Júlia e ainda namorou sua filha enquanto a manteve sob medicamentos internada em uma clínica. Ele recebia ordens de uma pessoa pelo celular, indicando que havia um mandante para suas ações.

Quem é o vilão de Belíssima? Quem será o filho de Bia Falcão?

De sexta-feira, dia 30, até a tarde desta sexta que antecedia o último capítulo, 6.819 internautas responderam à enquete do Estadao.com.br. Para 37.12% dos internautas o vilão era o tio Gigi (Pedro Paulo Rangel), que carregava contra si a cena em que foi flagrado desligando o telefone ao mesmo tempo que André, que deu a impressão de que os dois estariam conversando.Na brincadeira de suposição, o segundo lugar não por acaso foi a opção "tudo pode acontecer", que teve 24.2% dos votos. Ornela (Vera Holtz) levou 16.08% e o "escroque" Medeiros, 9.27%.

De sexta-feira, dia 30, até a noite de terça-feira, 6.311 pessoas votaram. E para a maioria dos internautas, o filho rejeitado da malévola Bia Falcão era o açougueiro Fladson (Marcelo Médici), que teve 34.54% dos votos. Ele foi seguido pelo borracheiro Pascoal (Reynaldo Gianecchini), com 21.3%, e André, que ficou com 13.81%. A opção tudo pode acontecer ficou com 14.79% dos votos.Ponto para Silvio de Abreu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.