Peter Foley/EFE
Peter Foley/EFE

Atriz de 'Smallville' acusada de recrutar escravas sexuais deixa prisão

Após pagar fiança de US$ 5 milhões, Allison Mack ficará em detenção domiciliar monitorada via tornozeleira eletrônica

O Estado de S.Paulo

24 Abril 2018 | 22h20

NOVA YORK - A atriz Allison Mack, da série Smallville, acusada de recrutar mulheres para serem escravas sexuais na seita Nxivm, deixou a prisão nesta terça-feira, 24, após pagar a fiança de US$ 5 milhões determinada por um juiz da Corte Federal no distrito de Brooklyn, em Nova York. Ela agora deverá usar uma tornozeleira eletrônica e estará sob prisão domiciliar na residência dos seus pais na Califórnia, segundo a imprensa local.

+++ Atriz de 'Smallville' é indiciada em caso de tráfico sexual

Allison foi detida na sexta-feira, 20, acusada de tráfico sexual e de conspirar para obrigar pessoas a realizar trabalhos forçados como parte do seu suposto envolvimento com a seita Nxivm, criada e liderada por Keith Raniere.

+++ Atriz de ‘Smallville’ é identificada como líder de culto de escravas sexuais

De acordo com a acusação, a atriz de 35 anos "recrutou mulheres" para que se unissem a um suposto grupo de tutoria feminina, entre elas duas denunciantes não identificadas, que fizeram sexo com Raniere.

+++ Escândalo sexual ameaça Prêmio Nobel de Literatura

Como parte das condições para sua liberdade pagando uma fiança, o juiz Viktor Pohorelsky ordenou à atriz que não tenha contato com nenhum dos membros do grupo, entre eles a herdeira da destiladora Seagram, que ficou conhecida pela sua participação em competições equestres, Clara Bronfman, segundo o jornal New York Post.

Segundo a imprensa local, Allison estaria em conversas com a Procuradoria Federal para conseguir um acordo e testemunhar contra Raniere.

Raniere foi acusado dos mesmos crimes que a atriz após ter sido detido no dia 27 de março em uma luxuosa vila do México e extraditado a Nova York, onde permanece em uma prisão federal sem direito a fiança. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.