Eduardo Munoz/Reuters
Eduardo Munoz/Reuters

Atriz Cynthia Nixon, de 'Sex and the City', pode concorrer ao governo do Estado de Nova York

Artista já teria começado a montar sua equipe

Reuters

07 Março 2018 | 15h27

NOVA YORK - Cynthia Nixon, uma ativista liberal e estrela da série de sucesso Sex and the City, está considerando concorrer a governadora de Nova York, desafiando o atual governador Andrew Cuomo nas primárias democratas, informou a rede de TV NY1 nesta terça-feira, citando fontes não identificadas.

+++ Tensão entre atrizes da série 'Sex and the City' vem à tona nas redes sociais

A atriz começou a montar equipe, incluindo dois veteranos da equipe eleitoral do prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, segundo a NY1.

+++ 'Nunca fomos amigas', diz Kim Cattrall sobre elenco de 'Sex and the City'

"Muitos nova-iorquinos preocupados têm encorajado Cynthia a concorrer ao cargo, e, como ela disse anteriormente, ela irá continuar explorando isto", disse a agente dela, Rebecca Capellan, em comunicado. "Caso e quando tal decisão for tomada, Cynthia certamente tornará público seus planos".

+++ Atriz Kim Cattrall, de 'Sex & the City', confirma morte de irmão desaparecido

As primárias serão realizadas em 13 de setembro e a eleição geral em 6 de novembro.

Cuomo, de 60 anos e filho do falecido governador de Nova York Mario Cuomo, busca seu terceiro mandato neste ano. Em sua reeleição em 2014, um desafiante nas primárias com pouco reconhecimento, Zephyr Teachout, conquistou cerca de 34 por cento dos votos, contra 62 por cento de Cuomo, levando a especulações de que Cuomo, um moderado, poderia estar vulnerável a um desafiante.

+++ Atriz de 'Sex and the City' vai guiar tour por Nova York

Cynthia Nixon, de 51 anos, estrelou a série de TV da HBO de 1998 a 2004 sobre quatro mulheres na cidade de Nova York, interpretando a advogada Miranda Hobbes. A série mais tarde gerou dois filmes.

Questionado nesta terça-feira sobre um possível desafio da artista, Cuomo disse a repórteres em teleconferência: "Sobre pessoas que podem ou não concorrer ao governo em ambos lados do corredor, isto cabe a elas e nós iremos lidar com isto conforme a campanha progredir".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.