Ator Wayne Rogers da série 'Mash' morre aos 82 anos

Rogers interpretou cirurgião na produção dos anos 1970 sobre a Guerra da Coreia, no auge do conflito

COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS, O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2016 | 19h05

O ator norte-americano Wayne Rogers, morreu aos 82 anos na quinta-feira, 31, por complicações decorrentes de uma pneumonia. Segundo a agência Associated Press, ele estava em sua casa, em Los Angeles, acompanhado pela família.

Seu principal trabalho foi na série de comédia dramática Mash cujo papel foi interpretar o cirurgião do exército ‘Trapper’ John McIntyre. Era um dos personagens principais e tinha como parceiro de cena Alan Alda, vivendo o capitão Hawkeye.

Nascido no Alabama, em 7 de abril de 1933 e formado em História na Universidade de Princeton, Rogers se interessou pela profissão de ator durante o serviço militar na Marinha dos Estados Unidos.

A série foi exibida entre 1972 e 1983, em um total de 11 temporadas, e Rogers abandonou a atração após um desentendimento com Alda.

Mash era inspirada no filme homônimo dirigido por Robert Altman, que foi baseado no romance de Richard Hooker, vencedor da Palma de Ouro em Cannes em 1970 e Oscar de Melhor Roteiro. A série foi um dos manifestos antibélicos mais importantes da televisão e tinha como alvo a Guerra do Vietnã, que na época atingia o seu auge, mas abordava uma guerra anterior: a Guerra da Coreia, igualmente violenta.

Mais tarde, entre 1979 e 1982, o ator ainda interpretaria outro médico em House Calls. Charley Michaels era um cirurgião de um hospital em São Francisco que não gostava de seguir as regras. Por este trabalho, Rogers foi indicado ao Globo de Ouro de melhor ator.

A primeira série que estrelou foi Stagecoach West, produzida entre 1960 e 1961, em 38 episódios. Nela, Rogers interpretou Luke Perry, proprietário de uma empresa ao lado de Simon Kane (Robert Bray).

Em 2005, ele ganhou uma estrela na Calçada da Fama em Hollywood. Fora da televisão, seguiu uma carreira como analista financeiro, investidor e empresário, chegando a ser comentarista financeiro da Fox News.

Mais conteúdo sobre:
Televisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.