Astros de 'Nip/Tuck' querem grande aumento salarial

Por Nellie Andreeva LOS ANGELES (Hollywood Reporter) - Enquanto começa nasegunda-feira a produção da sexta e última temporada de"Nip/Tuck", da FX, representantes dos atores do programa estãorenegociando os salários de seus clientes. As negociações salariais envolvendo os protagonistas JulianMcMahon e Dylan Walsh e os atores Joely Richardson, KellyCarlson e Roma Maffia vêm acontecendo há semanas. Quando começou a produção da quinta temporada, em 2007,McMahon e Walsh viram seus salários subir para 125 mil dólarespor episódio, enquanto o de Richardson chegou a 100 mil. Neste ano McMahon e Walsh querem dobrar esse valor, eoutros membros do elenco também estão pedindo aumentossubstanciais. Como todos os atores têm contrato com a produtora de"Nip/Tuck", a Warner Bros. TV, as negociações vêm sendo feitasprincipalmente com a FX, que financiou os aumentos do anopassado, sob a forma de abonos. A previsão é que seja fechado um acordo semelhante nesteano, mas as duas partes ainda não acordaram valores, embora seespere que isso aconteça nesta semana. Para ajudar nas negociações, McMahon e Walsh chamaram paraintegrar sua equipe legal o experiente advogado Marty Singer,que representou James Gandolfini, de "A Família Soprano", naação que este moveu contra a HBO em 2003, relativa arenegociações salariais, e também os atores coadjuvantes desseseriado quando buscaram aumentos salariais nos episódios finaisda série. Um dos principais argumentos apresentados pelos astros de"Nip/Tuck" é que, como a série está prevista para continuar noar até 2011, mesmo que eles estejam disponíveis para outrostrabalhos antes disso outras emissoras podem relutar emchamá-los para outros papéis enquanto seus personagenscontinuarem a ser vistos na FX em "Nip/Tuck." Apesar de Julian McMahon não ter comparecido na semanapassada para as provas de figurino, a expectativa é que todosos atores do programa compareçam para trabalhar nestasegunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.