LUIZ FERNANDO CARVALHO/DIVULGAÇÃO
LUIZ FERNANDO CARVALHO/DIVULGAÇÃO
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

As primeiras provas da próxima novela das 9 da Globo, 'Velho Chico', com novas apostas

Eis as primeiras imagens das provas de roupa que o diretor Luiz Fernando Carvalho fez para Velho Chico, próxima novela das 9. Na primeira imagem, Selma Egrey contracena com Flávio Machado, ator de teatro de produções relevantes, como Incêndios. Ele é uma das novas apostas do diretor na produção que vem aí, assim como Larissa Góes e Lucy Alves, vistas na foto a seguir.  Larissa e Lucy farão a mesma personagem, Elisa, na 1.ª e na 2.ª fase da novela. “A Larissa, estou lançando depois de muitos testes realizados no Nordeste. É uma jovem atriz de teatro de Fortaleza”, explica Luiz Fernando Carvalho.“Lucy era aquela sanfoneira do The Voice, que fez um teste excepcional para Dois Irmãos,mas não havia um personagem específico para seu tipo na minissérie. Agora ele existe!”, conclui.Chega a 400 o número de demitidos na Record, apesar do bom saldo deixado por Os Dez Mandamentos. Como as novelas passam a ser terceirizadas, espera-se que metade desse pessoal seja aproveitado em novas produções.E o final de ‘Os Dez Mandamentos’, ontem, foi bem no Ibope, mas não voltou a render liderança para a Record em São Paulo, onde o placar de Moisés ficou em 22,5 de média, ante 23,8 da Globo. Alexandre Herchcovitch vai costurar roupas em lugares inusitados, por oito episódios. Assim reza a ideia de Corre e Costura, reality produzido pela Conspiração para o grupo FOX.

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

24 de novembro de 2015 | 03h00

Inflação de telas. Interagir no celular, seja por mensagem de texto, acesso a redes sociais ou até falando, enquanto se assiste à TV, vai se tornando arroz-feijão para os hábitos de consumo do brasileiro. Dados do Target Group Index, um estudo da Kantar Ibope Media voltado para a análise e compreensão dos hábitos e atitudes dos consumidores, apontam que, nos últimos três anos, a posse de mais de uma tela cresceu cerca de 10%. Acha pouco? É que o número de pessoas que passou a ter três telas, esse sim, avançou significativamente: 167%. Já a posse de quatro telas engloba hoje 7% do público, ante 1% há três anos. São números que endossam a relevância do engajamento entre TV e redes sociais.


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.