As frases polêmicas de Hannah Gadsby no stand-up 'Nanette', da Netflix

As frases polêmicas de Hannah Gadsby no stand-up 'Nanette', da Netflix

Em seu discurso poderoso, a comediante australiana fala propositalmente frases de impacto em seu texto

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2018 | 15h45

O stand-up Nanette, da comediante Hannah Gadsby, que estreou recentemente na Netflix como um especial, tem um texto poderoso e sofisticado, que acaba subvertendo o próprio formato stand-up. 

Começa com humor, mas, ao longo da apresentação, Hannah adota um tom mais sério, e avisa que não vai mais fazer comédia, sobretudo a do tipo depreciativa, como fazia até então. Lésbica assumida, ela fala sobre sua homossexualidade, questão de gênero, machismo. 

Hannah Gadsby, o machismo, a homossexualidade e a questão de gênero

Veja algumas frases polêmicas e impactantes no espetáculo Nanette, na Netflix: 

"No ano passado, uma porta-voz (das lésbicas) me procurou depois de um show: “'Este ano, seu show me decepcionou muito, Hannah. Não acho que teve conteúdo lésbico suficiente'. Eu estava no palco o tempo todo. Não virei hétero na metade, sabe? Talvez, eu esteja meio descuidada" 

"Construí uma carreira com base no humor autodepreciativo, e não quero mais fazer isso. Porque vocês entendem o que a autodepreciacao significa quando vem de alguém que já existe à margem. Não é humildade, é humilhação" 

"Recebi uma carta pelo Facebook dizendo: 'Você deve à sua comunidade se assumir como transgênero'. Isso foi novidade para mim. Eu não sou, não me identifico como transgênero. Acho que nem lésbica é a identidade certa para mim. Eu me identidico como cansada. Existe muita histeria sobre gênero vinda de vocês, 'normais'" 

"Olha, não me identifico com transgênero, mas gosto de tirar umas férias. Adoro que me confundam com homem, pois, por uns momentos, a vida fica muito mais fácil: sou o padrão de normal, o rei dos humanos, sou um homem branco hétero, estou quase sendo bem atendido sem fazer esforço"

"Eu não queria ser um homem branco hétero. Não agora. Não neste momento da história. Não é uma boa hora para ser um homem branco hétero. Nem se me pagassem. Se bem que o salário seria muito melhor"

"Não é uma época fácil pra vocês, caras. Sinto muito por vocês. E se vocês não estão sabendo como lidar é porque, pela primeira vez, vocês viraram uma subcategoria de humano" 

"Estou no auge agora. Porque todos vocês sabem que não há nada mais forte do que uma mulher destruída que se reconstruiu"

"Rir não é o melhor remédio, o que cura são as histórias" 

 

Mais conteúdo sobre:
NetflixHannah Gadsby

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.