Após sucesso no 'Faustão', Ícaro Silva faz Dilson na novela 'Pega Pega'

Após sucesso no 'Faustão', Ícaro Silva faz Dilson na novela 'Pega Pega'

Versátil, ator poderá ser visto em breve também nos cinemas, no filme 'Legaliza Já', sobre a banda Planet Hemp

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

12 Julho 2017 | 06h00

A versatilidade do ator Ícaro Silva já era vista há tempos nos palcos, em espetáculos como Elis, A Musical, mas ganhou grande visibilidade com sua participação no Show dos Famosos, do Domingão do Faustão, do qual saiu vencedor. No quadro, ele e outros participantes faziam performances inspiradas em artistas conhecidos da música nacional e mundial. 

Ícaro iniciou sua trajetória no quadro causando impacto, logo de cara, em jurados e público ao encarnar Beyoncé, cantando Crazy in Love. Na sequência, emendou outros elogiados números como Alexandre Pires, Ney Matogrosso, Bob Marley, Ivete Sangalo e, na disputa final, fechou seu rol como Michael Jackson – com Smooth Criminal e a famosa enclinadinha em 45 graus. Foram escolhas ousadas para homenagear, ele admite. E tinha menos de uma semana para ensaiar cada apresentação. “Sou um atrevido. Quando se trata do meu trabalho, sou muito camicase: gosto de imaginar os lugares mais altos e me jogar. É disso que se trata, é de mergulhar o mais possível no fundo da sua verdade, e, esses artistas que representei, admiro por algum motivo, pelas verdades deles”, diz Ícaro, ao Estado.

O ator paulista, de 30 anos, sabe que essas suas apresentações na TV amplificaram seu trabalho nacionalmente. “Isso mostra para o público um tipo de artista que tem um esmero grande pelo ofício, que acredita efetivamente nesse ofício, porque a arte e o entretenimento se confundem muito com o lugar da fama, com esse lugar de business. Existe um lugar do fazer artístico que está muito voltado a questões humanas e sociais”, pondera ele. “Acho que mostra essa categoria de artista que anda um pouco desvalorizada graças à glamourização da vida artística. E me mostra como profissional disso, porque muita gente ainda achava que eu tinha saído da Malhação, e nunca mais tinha feito nada ou achava que aquela tinha sido uma fase da vida de um garoto que passou por ali. Mas foi isso que eu escolhi da vida. Sou um artista, realmente gosto de afirmar isso para as pessoas de alguma maneira.”

Ainda sobre a versatilidade de Ícaro como ator, ela não engloba apenas suas habilidades para dançar e cantar, mas diz respeito também à interpretação em si. Até o início deste mês, ele participava do Show dos Famosos, um quadro de entretenimento. Na última segunda-feira, estava na Tela Quente, na Globo, como um médico de um hospital de periferia no Rio no filme Sob Pressão. E está no ar na novela Pega Pega, comédia romântica policial exibida na faixa das 7. 

No folhetim, Ícaro interpreta Dilson, que trabalha vendendo balas na Central do Brasil, no Rio, e cresceu sob o impacto de um drama familiar: o sumiço do irmão Tidinho (David Junior). O ator começou as gravações da novela quando ainda estava no Show dos Famosos. “Agora estou mergulhado no Dilson, e a trama está se desenvolvendo. Estou muito feliz porque a novela é um sucesso, as pessoas estão gostando e entendendo a proposta e a estética dela”, comenta. “E o Dilson é um personagem que acho que tem uma possibilidade de identificação grande com as pessoas, porque ele tem uma realidade muito simples, mas é ambicioso – isso vai se mostrar em diversos lugares, não só positivamente.” 

Tidinho ressurge na trama como Dom, filho da milionária Sabine (Irene Ravache), que, no passado, encontrou o então garoto vagando pelas ruas, o adotou e o levou para morar com ela na Europa. “Ele volta (ao Brasil) como um dos donos do hotel. É um pouco O Príncipe e o Plebeu”, compara Ícaro. 

O ator começou a carreira ainda criança, e conseguiu chegar à vida adulta com bons papéis. Seu primeiro trabalho foi na novela Meu Pé de Laranja Lima, em 1998, na Band, mas lembra que já tinha aparecido na TV antes. “Eu já estava aparecendo por causa dos livros”, conta ele, referindo-se aos títulos que lançou como escritor mirim – como Três Historinhas de Ícaro Silva (1995) e O Peixe Dourado (1996). “A primeira vez que apareci na televisão foi em 1994, 95, no programa Aqui Agora. Quem foi à minha casa foi a Magdalena Bonfiglioli”, diverte-se. 

Entre 2004 e 2007, destacou-se como o personagem Rafa, em Malhação, e, após sair da novela teen, decidiu estudar teatro. Para ele, um período importante. “Passei três anos e meio estudando teatro, e entendendo o artista que eu era e o que eu queria ser, e entendendo também o lugar da arte como responsabilidade social.” 

Sua aproximação com os musicais – onde ganhou notoriedade como Jair Rodrigues, em Elis, a Musical, e Wilson Simonal, em S’imbora, o MusicalShow em Simonal – foi um processo natural, ele conta. “Eu fazia alguns espetáculos que tinham música. Aí começaram a me chamar para fazer testes em musical. De repente, fui fazendo. Musical tem um lugar de atletismo, são muitos ensaios, me preparou para qualquer coisa, inclusive para o Show dos Famosos.” 

Ícaro Silva está em outros projetos, como a série Edifício Paraíso, do GNT, e o filme Legalize Já, sobre a banda Planet Hemp. E os musicais também estão em seus planos. “No segundo semestre, vou estar no palco, sim.”

Mais conteúdo sobre:
Ícaro Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.