Antes que a Globo corte

Confissões de colunista: exceto pela imensa pena que estou da dona Irene (Glória Menezes), ainda não sei o que pensar das recentes revelações de A Favorita. Melhor esperar uns dias e tentar entender para onde aponta a bússola do autor João Emanuel Carneiro. Portanto, vamos mudar de assunto e falar da guilhotina que paira sobre os estabanados Pedro e Bárbara, os personagens principais do seriado Guerra e Paz, escrito pelo tarimbado Carlos Lombardi. Versão acariocada de A Gata e o Rato (alguém lembra?), Guerra e Paz tem levado freqüentes bailes da audiência, o que teria desanimado a Rede Globo de continuar o projeto. Mas quem pediu pra emissora colocar o programa às 23 horas de sexta-feira? Será que quem se entoca no sossego do lar quer mesmo entrar na madrugada do sábado diante de um programa tão energizado? Será que o público ideal de um seriado desses não está na balada, quando os relógios chegam às 23 horas? Seja qual for a resposta, a culpa do ibope baixo não é exclusiva da atração global. Qualquer pessoa minimamente informada gasta poucos neurônios para listar dez atrizes mais talentosas que Danielle Winits. A mesma pessoa não demora mais que alguns segundos para citar atores que tenham um repertório de expressões faciais mais reforçado que Marcos Pasquim. Mas será praticamente impossível lembrar outra dupla de atores que tenha o ritmo e a sintonia básica para falar os textos de Carlos Lombardi. Pasquim, Winits e a esfuziante Betty Lago - também no seriado, como a delegada sempre vestida de sobretudos inadequados ao clima carioca - formam uma trinca afiadíssima, quando se trata de dizer lombardismos. O texto inteligente e cheio de frases quebradas com rigor exige atores específicos. É o caso desse trio, que injeta simpatia, malícia e uma bem dosada vulgaridade nos episódios do seriado. É certo que, faladas em português, as aventuras policiais soam mal dubladas, mas a isso se habitua. Se persistir, a Globo pode emplacar um bom programa. É bom lembrar o caso do seriado americano Lei & Ordem, cujo primeiro ano no ar foi um fracasso absoluto. Hoje, é um dos programas mais vistos no mundo . Guerra e Paz pode não voar tão alto, mas não merece ser abatido a tiros em plena decolagem. e-mail: mvianinha@hotmail.com

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.