Netflix
Netflix

Anitta mostra lado empresária em nova série 'Anitta: Made in Honório'

Cantora também fala de maneira inédita sobre um abuso sexual que sofreu na adolescência

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

16 de dezembro de 2020 | 18h05

A nova série de Anitta na Netflix, Anitta: Made in Honório, começa já no primeiro episódio com uma declaração impactante, colocando a público um abuso sexual que sofreu aos 14 anos. “Nunca expus isso em público. Sempre me coloquei em relações meio abusivas. Mas faz pouco tempo que parei de achar que isso é culpa minha, parei de achar que causei isso para mim”, diz. É um ato corajoso para uma estrela pop que em 10 anos de carreira alcançou audiências globais e se tornou uma embaixadora do funk carioca no mainstream mundial. A série é também uma celebração dessa trajetória, com produção executiva da própria cantora, especialmente voltada para sua faceta empresária. “A Anitta conseguiu ser a dona da p* toda”, diz seu diretor musical em um dos episódios.

“O cancelamento vem, mas não estou muito preocupada”, disse Anitta em uma coletiva de imprensa no início da semana, falando sobre a série. “Depois do quadragésimo (cancelamento) já não faz diferença. O que a gente se pergunta é se vai impactar a vida das pessoas positivamente. Estamos mostrando defeitos e qualidades. Pedi para não tirar os defeitos”, garante. “Tem partes que eu assisto e falo: meu Deus, que horrível.”

Alguns dos momentos mais sensíveis, além da declaração inédita sobre o abuso sexual, mostram Anitta perdendo a paciência com erros da produção e da assessoria de imprensa. “Um dos piores defeitos é ela não saber demonstrar satisfação com o seu trabalho”, explica, na série, o irmão e produtor executivo Renan Machado. “Ela acha que a pessoa está entendendo, mas se ela não demonstrar, as pessoas não entendem. Hoje, ela tem muito mais essa noção. Não que ela não valorizasse, mas ela não demonstrava.”

Mas procurar defeitos na carreira de Anitta é uma missão a que os “haters” na internet dedicam tempo demais.

Made in Honório, uma produção da Conspiração sob a direção artística de Andrucha Waddington e direção de Pedro Waddington para a Netflix, é bem construída e tem como eixo central o show que Anitta fez em Madureira, na zona norte do Rio, após o Rock in Rio 2019. Uma emoção real toma conta da cantora, da equipe e da sua família – que ocupa outra parte central do documentário – em cima do palco e no backstage da apresentação naquele 7 de dezembro de um ano atrás que parece uma década. Na tela, e principalmente nesses momentos, Anitta emana autenticidade.

Para ela, a série não se dedica apenas para seus fãs, que são milhões, mas também a quem gostaria de saber e entender um pouco sobre como funciona o mundo da música. 

Há, de fato, momentos bastantes pessoais. "Vai mostrar bastante meu lado vulnerável, minha família fala bastante", explica a cantora, quando questionada como a ela e a série lidavam com sua própria saúde mental. "Mas eu não faço (terapia). Gostaria muito de encontrar um bom profissional com quem eu me sentisse bem e manter uma rotina de terapia, mas ainda não encontrei. Acho que seria bom para mim."

Na entrevista, a cantora refletiu que uma fase de sua carreira se encerra com esse lançamento, e que a partir de agora ela quer se dedicar mais a seus sonhos pessoais – desde o fim de 2019, o gerenciamento profissional é feito pelo jovem empresário americano Brandon Silverstein, parceiro da Roc Nation de Jay-Z e de Normani, do Fifth Harmony, e do britânico Jacob Banks. “Estou extremamente realizada”, garantiu Anitta. “Meu sonho é parar com alguém mais de três meses, fazer uma família, ficar mais com meus pais, meus tios. Hoje em dia já conquistei tudo que sonhava na carreira. Na série tem um vídeo de eu falando, adolescente, que estaria velha quando as coisas acontecessem. Mas não estou. Quero viver e aproveitar. Mas também não vou deixar de trabalhar. Adoro o que faço.” 

Veja o trailer de 'Anitta: Made In Honório':

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.