Paulo Belote/Divulgação
Paulo Belote/Divulgação
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Andréia Horta é a heroína de 'Liberdade, Liberdade', nova novela das onze

Atriz se encanta ao falar de Joaquina, filha de Tiradentes, e de seus valores no delicado contexto político atual

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

11 de abril de 2016 | 05h00

Mineira como sua nova personagem, Andréia Horta está feliz com o aplique que tem feito a cabeça de Joaquina – “nunca tive cabelos tão compridos”, celebra a protagonista da nova novela das onze, Liberdade Liberdade, que entra no ar nesta segunda-feira, 11. Filha de Tiradentes, figura mítica cuja herdeira mal deixou rastros para registros históricos, Joaquina é prato cheio para uma atriz que sabe se valer de técnica e intuição para ocupar as linhas criadas pelo autor. E o autor, Mario Teixeira, já avisa que a trajetória traçada por ele é ficção pura, até porque, diz, “seria muito pouco provável que a herdeira de Tiradentes fosse levada por um fidalgo para crescer na Corte”.

O Estado conversou com Andréia em um intervalo de gravações da nova novela, nos Estúdios Globo. Natural de Juiz de Fora, a atriz vestia figurino próprio, mas ostentava cabeleira de sua heroína. Joaquina surge na tela num momento em que o País carece de heróis na vida real. Não que ela espere preencher essa lacuna, ainda que ilusoriamente, mas mostra-se satisfeita em, quem sabe, provocar na plateia um interesse pelas causas daquela mocinha que questionar as liberdades do povo, a exploração e a corrupção vigentes no País. As bandeiras, infelizmente, chegam a ser muito atuais, embora o comando da época fosse ainda da Família Real portuguesa.

“Espero que (a novela) possa trazer alguma reflexão para as pessoas, muitas das nossas reivindicações já vêm daquela época. Ela fica indignada com o que vê quando chega de Portugal, não tolera a exploração, os maus tratos que testemunha com o povo, com escravos, enfim, ela traz as mesmas indignações que levaram o pai à forca”, diz. E ressalta o valor da palavra “justiça”: “Ela tem uma interpretação muito pura, na essência mesmo, do que é ‘Justiça’, sabe? Não é um termo relativizado ou tratado dentro de determinado contexto, no entender dela. Tem um significado no seu estado puro, sem contaminação”.

A salvação da menina Joaquina, vivida por Mel Maia, logo após a morte de Joaquim da Silva Xavier (Thiago Lacerda) será obra de Raposo (Dalton Vigh), amigo do condenado, que oculta a condição de herdeira do “traidor” da Coroa para criá-la em Portugal. Na volta, ela será chamada por Rosa, para driblar as perseguições ainda latentes em Vila Rica.

Andréia se esmerou em aulas de equitação, tiros e esgrima. “A minha arma é linda, tem um cabo de madeira, é superbonita”, derrete-se. Mas, se achava que tiraria de letra o manuseio de tais objetos cênicos, não foi assim tão destemida que ela se viu na hora de colocar a mão no gatilho ou de empunhar espadas. Bateu uma fragilidade, admite. “Descobri que sou mais mulherzinha do que imaginava.”

Durante nossa conversa, Andréia escorrega com elegância para um “bocadim” discreto de seu acento mineiro, som que será usado de forma mais que moderada em Liberdade Liberdade, até porque a musicalidade presente naqueles dias era bem mais lusa – o que será evidenciado pela presença do português Ricardo Pereira, o coronel Tolentino.

Para Andréia, o privilégio do ofício, sem igual em qualquer outra profissão, é dar de cara com os sotaques, valores e histórias de um Brasil da Família Real, pouco depois de deixar o set de Elis, o longa-metragem de Hugo Prata, previsto para o segundo semestre. Trafegar entre universos tão distintos em tão curto espaço de tempo não é para qualquer um. Ela se comove ao lembrar de seus dias como Elis. Não se esquivou de cantar em cena, mas espera que o diretor insira no áudio a voz da própria cantora. “Acho que as pessoas vão ver o filme esperando ouvir a voz dela”.

Encerrada nossa entrevista, vamos ao prédio de pós-produção, a bordo de um daqueles carrinhos elétricos que você vê no Vídeo Show. Andréia quer dar uma espiada no trabalho de edição da novela. No meio do caminho, passando diante de outro set, avistamos a adorável Rogéria. “Ah, vamos parar um minuto?”, ela pede. As duas se abraçam e Rogéria não se cansa de festejar a atriz, a quem admira desde Alice, série da HBO que a lançou na TV. “Linda, linda, não se esqueça: nunca saia de casa sem rezar, porque você é uma es-tre-la”, destaca a veterana, em bênção que só as divas conhecem.

Tudo o que sabemos sobre:
CulturaTelevisãoAndréia Horta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.