Anarquistas Graças a Deus é biscoito fino

Da obra de Zélia Gattai, produção resgata a São Paulo dos imigrantes italianos com cenas reais

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2008 | 00h54

Revista após dez anos ou mais, muita encenação de TV soa datada, a depender de closes, planos de câmera e maquiagem ali investidos. Em alguns casos, raros, pode-se celebrar o requinte de um tempo em que o Ibope não ditava ordem e a competência se impunha. É nessa segunda safra que se encaixa Anarquistas Graças a Deus, minissérie de 1984, em nove capítulos, que a Globo lança esta semana em DVD.O livro de memórias de Zélia Gattai chegou à tela pelas mãos do par mais bem-sucedido em adaptar nossa literatura à TV: os Walters - George Durst como roteirista e Avancini como diretor - botaram no ar, além de Anarquistas, "apenas" Grande Sertão, Veredas, de Guimarães Rosa, e Gabriela, do marido de Zélia.Sem perder o contexto mundial da primeira metade do século passado, Anarquistas mescla imagens em preto-e-branco da São Paulo da época à cenografia que reproduz a trajetória dos Gattai.Débora Duarte dá show como a matriarca Angelina e faz eco na performance de Ney Latorraca como Ernesto Gattai. É para babar e refutar a fraudulenta argumentação de "interpretação naturalista" defendida por uns e outros atores hoje em dia. Tem ainda o dramaturgo Gianni Ratto atuando como il nono e trilha sonora produzida por Júlio Medaglia.

Tudo o que sabemos sobre:
MINISSÉRIEANARQUISTAS GRAÇAS A DEUS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.