David Giesbrecht / Netflix
David Giesbrecht / Netflix

Análise: desde o fim da quarta temporada de 'House of Cards', muita intriga rolou em Washington

Ameaçado, o presidente prepara um ponto focal para a desviar a atenção da nação chocada. Frank Underwood vai à guerra

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2017 | 06h00

As pedras preciosas de House of Cards, a crueldade e a frieza, fecharam a 4ª temporada da segunda série: na última cena, o presidente Frank Underwood, e a mulher, Claire, assistem serenamente à execução de um refém do Califado jihadista criado pelos roteiristas da Netflix. A morte está sendo transmitida em rede planetária.

O homem sofre, degolado com facas. As pessoas na sala da Casa Branca desviam o olhar, os militares também, homens e mulheres choram. A dupla presidencial, não. 

Na verdade o casal, cada um a seu modo, está preocupado em capitalizar o ganho político da tragédia. Ameaçado, o presidente prepara um ponto focal para a desviar a atenção da nação chocada. Frank vai à guerra.

Será? Desde o fim do pacote de 2016, em junho, muita intriga rolou em Washington – a dos estúdios e a real. O criador da série, Beau Willimon, saiu fora. Ele pretendia manter o clima de luta armada e faria a intriga política passar pelo Brasil – ameaçado de impeachment, Underwood veria trechos dos vídeos das votações da Câmara dos Deputados, em Brasília, que afastaram a ex-presidente Dilma Rousseff. Bem, não verá mais. A vaga de Beau foi ocupada pelos experientes Melissa Gibson e Frank Pugliese – craques em ação e insídia; infelizmente, mais para o estilo misto quente, novelão como Velozes & Furiosos.

Os fatores de atração, todavia, estão lá, bem preservados. A aura de sensualidade que cerca a intimidade de Frank e Claire, o xadrez chinês dos interesses econômicos, o discurso conservador de Donald Trump e o fenômeno Barack Obama. Ah, sim. Um spoiler: Frank Underwood talvez morra, vítima de um atentado, no último episódio da temporada que começa dia 30. Tiro de Sniper. Adivinhem só quem contratou o matador? 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.