ESTEVAM AVELLAR/GLOBO
ESTEVAM AVELLAR/GLOBO

Amor e violência convivem em 'Onde Nascem os Fortes'

Supersérie tem no elenco Alexandre Nero, Fábio Assunção, Enrique Díaz e Patrícia Pillar

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

23 Abril 2018 | 06h59

Roteirista de O Grande Circo Místico, George Moura prepara o black-tie para a montée des marches na gala do longa de Cacá Diegues, dia 12, em Cannes. O maior festival do mundo ainda vai ocorrer dentro de duas semanas. Nesta segunda, 23, na Globo, outro trabalho de Moura ganha os holofotes. Cartazes espalhados por todo o Brasil anunciam a estreia da supersérie Onde Nascem os Fortes, e o crédito é de George Moura e José Luiz Villamarim.

É o sexto trabalho da dupla, após um belíssimo filme, Redemoinho, e séries e novelas que recolheram elogios e audiência. O Canto da Sereia, Amores Roubados, O Rebu, Por Toda a Minha Vida. Onde Nascem os Fortes é uma história original – em termos. “Resolvemos que queríamos voltar ao Nordeste, ao sertão, e o George teceu uma história impregnada de influências. Estão lá Lampião e Maria Bonita, o Conselheiro, Delmiro Gouveia”, explica Villamarim. “É um sertão que não é mais aquele da memória, mas vivo, um sertão em que convivem a poeira e o asfalto, os cavalos e as motos, os celulares e as pick-ups. E dentro desse sertão pode-se radiografar o Brasil, a questão do poder e do coronelismo.”

Villamarim é mineiro, Moura é pernambucano. Ambos vêm de famílias católicas, estudaram em colégios maristas. Possuem as mesmas referências e influências, as mesmas vivências. “A gente namorava no recreio, na igreja. Havia uma entrada lateral, a nave ficava deserta, escura e a gente ia para o amasso naquele ambiente de excitação e culpa. Então, quando eu escrevo o diálogo para Débora Bloch, como uma mãe que corre como uma oferenda a Deus, rezando pelo restabelecimento da filha, o Villa entende”, conta Moura. Para ele, Fortes nasceu como um desejo de mostrar que a modernidade do Brasil permanece presa ao arcaico, às velhas estruturas. Como todo capítulo inicial, o da supersérie é fragmentado, porque tem muitos personagens para apresentar. Mas alguns momentos/fragmentos ficam com o espectador.

+ Supersérie 'Onde Nascem Os Fortes' traz histórias de amor e ódio no Nordeste contemporâneo

Uma noite no sertão. Vai se apresentar a Shakira sertaneja. A movimentação é intensa. As motos, os cavalos, os carros. É o emblema desse mundo que os Fortes retrata. “Para mim, é decisivo”, diz Villamarim. “É a cena conceitual do começo dos Fortes. Esse mundo em convulsão, transformação, está todo ali, naquela poeira de motos e animais.” E Moura – “Eu estava no set, naquela noite. Vi nascer o plano que você está falando, e foi emocionante. Estava dentro do carro, vendo aquela movimentação toda. Me deu uma coisa, uma emoção. Cheguei a chorar.” Tudo converge, no primeiro capítulo, para o confronto entre os personagens de Marco Pigossi e Alexandre Nero. O garoto arretado peita o poderoso das terras, que joga sobre ele seus capangas. Pigossi apanha, mas reage. Apanha mais. A fala de Nero – “Isso é para você aprender quem manda e é mandado.”

De repente, todas as histórias fragmentadas, cruzadas vão se organizar e fazer sentido. Pigossi vai desaparecer e a irmã, Maria, vai iniciar uma busca mítica por ele. Serão 53 capítulos, quatro vezes por semana – de segunda a sexta, menos quarta, que é dia de futebol. Moura avalia a diferença de escrever para cinema e TV. “Num filme, quando chegamos a 50 minutos, os conflitos já se encaminham para uma solução. Numa série, ou macrossérie, aos 50 os conflitos que vão delimitar a linha geral da história só começam a se esboçar.” Moura escreve, Villamarim filma. Seja por afinidade, ou o que, um não interfere na atividade do outro. Discutem, trocam ideias, mas Moura não sugere como Villa deve construir a cena e o diretor também não fica interferindo no diálogo. 

+ 'Redemoinho' fala do acerto de contas de dois amigos de infância

De cara, a dramaturgia subverte o desenho dos personagens. Nero, que se chama Gouveia, como o mítico empreendedor do sertão, é pai dedicado, mas tem amante e faz rebentar de pancada aquele que ousou desafiar sua autoridade. Será o vilão da história? No final do capítulo, vestido de branco, surge o magistrado – Ramiro/Fábio Assunção, praticando tiro ao alvo com rifle de mira telescópica. Assim fica difícil errar. “Todo dia é dia de caça, e de caçador”, diz o poderoso Ramiro. O branco cria um arquétipo – será, em oposição a Nero, o personagem positivo da trama? Ramiro, o juiz, como inquisidor do sertão, é o senhor de tudo. É inimigo mortal de Gouveia. Refreie sua expectativa. Mocinho, bandido. As coisas não são tão simples. Vão se complicar ainda mais.

Maria, em busca do irmão, reviverá o arquétipo de Maria Bonita – Alice Wegmann é quem faz o papel – e Patrícia Pillar, como a mãe, vai se aproximar do juiz. Para complicar ainda mais, o juiz tem um filho, Ramirinho, interpretado por Jesuíta Barbosa, e que não é outro senão a Shakira do sertão. O travesti evoca Visconti – Helmut Berger emulando Marlene Dietrich em Os Deuses Malditos. E, na abertura, o plano subjetivo da bicicleta, quando Maria cai, leva a outro, belíssimo – que descortina a paisagem, o sertão. Ecos do deserto de David Lean, Lawrence da Arábia. “Parece presunçoso, não?”, pergunta o diretor. Na verdade, são coisas tão entranhadas no imaginário dele, e de Moura, que terminam vindo, ao natural, a partir das sugestões do roteiro.

Mais conteúdo sobre:
Alexandre Nero

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.