Amor de pai

Quem não chorou, não pode perder a oportunidade de se debulhar com uma das cenas finais de Por Amor (1998). Nela, Antônio Fagundes descobre que Helena (Regina Duarte) lhe tirou o direito de ser pai - mentindo que seu filho havia morrido - por amor à sua filha, Maria Eduarda (Gabriela Duarte). Helena trocou os bebês. O de Maria Eduarda, que morreu logo após o nascimento, foi anunciado como se fosse o filho dela e de Atílio (Fagundes). Ao descobrir a mentira, o pai dispara: "Como você pode achar que seu amor por sua filha é maior que o meu amor pelo meu filho? Você não sabe amar!" Ai! Grande pai da ficção nesse Dia dos Pais.

O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2009 | 23h51

Filha fantasminha

Mesmo fantasma, Nanda (Fernanda Vasconcellos) fala em Páginas da Vida (2006) o que todo filho deveria dizer no dia de hoje: "Pai, eu ainda preciso muito de você!"

O fim de painho

Renegado, João Pedro (Marcos Palmeira) tirou o facão do Jequitibá para que o pai, Zé Inocêncio (Fagundes), morresse em paz - nos seus braços - em Renascer (1993).

Não quero nada seu

Tony Ramos é bom pai nas novelas, mas arrasou com o seu, vivido por Dionísio Azevedo em O Astro (1977). Lição de moral de filho com direito a Tony peladão, em uma versão menos acarpetada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.