Além da imaginação

A CURA: Ciência e curandeirismo têm um embate arrepiante na série escrita por João Emanuel Carneiro, que entra na onda sobrenatural das séries americanas

Patrícia Villalba, O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2010 | 16h00

Gravando! Ricardo Waddington dirige cena em Diamantina: preferência por atores mineiros

 

DIAMANTINA - Há uma onda na TV americana, que demora a passar, de produções ligadas ao sobrenatural - de paranormais a vampiros. Mas, justamente no Brasil, onde o misticismo é bastante presente no cotidiano das pessoas, o tema andou meio esquecido nos últimos anos, até ser resgatado pelo autor João Emanuel Carneiro que, em parceria com o roteirista Marcos Bernstein, escreveu A Cura. Com direção-geral de Ricardo Waddington, o seriado estreia nesta terça-feira, às 23h.

 

Cercada de mistério, a trama acompanha a trajetória do jovem médico Dimas, interpretado por Selton Mello. De volta à cidade natal, a histórica Diamantina, em Minas, o que ele mais quer é se tornar cirurgião no hospital da cidade. Mas quem disse que alguém quer vê-lo com um bisturi na mão?

 

"Paira sobre ele uma dúvida, porque ele é acusado de ter matado um amigo quando criança. Por isso, a chegada dele causa um rebuliço. Um cara que matou alguém pode operar as pessoas?", explica Selton, que conversou com o Estado em um dos 25 dias que passou na cidade para as gravações.

 

Não bastasse a acusação de assassinato, Dimas descobre na cidade que tem poderes de cura espiritual, como o famoso Dr. Fritz. "Ele se surpreende ao perceber que pode operar tanto cientificamente quanto espiritualmente. Você assiste e passa o tempo todo na dúvida se ele tem mesmo poder de curar ou não e se matou mesmo alguém na infância", completa.

 

Carma. Logo no primeiro capítulo o telespectador vai descobrir que a cura espiritual não é novidade na Diamantina da ficção. A história de Dimas remete à de um outro médico curandeiro, Otto (Juca de Oliveira), que foi assassinado na cidade décadas atrás. Quando se espalha a notícia sobre os supostos poderes de Dimas, muitos pensam que ele é a reencarnação de Otto.

 

E lá longe, no século 18, a história se entrelaça com a vida de Silvério (Carmo Dalla Vecchia), um explorador de diamantes de caráter duvidoso e que não tem pudores em arrancar a língua de uns e outros. Por causa desse temperamento e por sua ambição desmedida, ele sofre uma maldição terrível, lançada por um pajé. "Aos poucos, as pessoas vão perceber o que o Silvério tem a ver com o Dimas. É a repetição de um carma", adianta Carmo (na foto da página ao lado), quase irreconhecível na caracterização, que lhe deu dentes destroçados, unhas sujas, feridas e pústulas nojentas - fora isso, ele emagreceu 15 quilos para o papel. A maquiagem levava 1h30. "Os machucados deles têm cinco fases, conforme avança a doença."

 

Mineirice. Pelas primeiras imagens que foram divulgadas, deu para perceber que Diamantina, com seu casario colonial em ótimo estado de conservação, foi a escolha perfeita para ambientar a série e imprimir um ar fantasmagórico. A produção movimentou a cidade com 120 profissionais do Rio, utilizando mais de 30 locações, entre elas pontos turísticos como Rua da Quitanda, Mercado Velho e Monumento a JK. As cenas do século 18 foram gravadas a 15Km, onde foi erguida uma casa característica da época.

 

O isolamento da cidade histórica, a 4h30 de Belo Horizonte, pareceu ideal para João Emanuel, que escolheu Minas Gerais como cenário para se valer da fama de desconfiado que o mineiro tem. "É uma terra de meias-verdades, o que combina com a ambiguidade do protagonista", explica.

 

Para tornar a série o mais mineira possível, digamos assim, Waddington preferiu escalar atores mineiros. Selton, por exemplo, é de Passos. "Optamos por aprofundar o acento regional, porque a história não se passa numa cidade fictícia, mas na Diamantina de verdade", detalha o diretor.

 

Foi uma oportunidade para levar de volta à Globo a atriz Andréia Horta, que chamou a atenção do diretor como a protagonista de Alice, série da HBO. Ela interpreta Rosângela, uma médica legista que é amiga de infância de Dimas. A personagem feminina, que curiosamente tem um trabalho ligado à morte, é um contraponto ao misticismo em que Dimas está envolvido. E é claro que há um clima de romance entre os dois. "Ela é uma pessoa muito correta. Será um apoio para Dimas na cidade quando tudo começar a acontecer", conta ela, nascida em Juiz de Fora.

 

Suspense. A maneira como a série será apresentada é uma novidade na Globo. Os nove capítulos estão interligados, como numa minissérie. Mas serão apresentados semana a semana, no modelo da TV americana. "O desafio é prender as pessoas a ponto de esperarem uma semana para saber como a história continua. Vamos atravessar esse rio pela primeira vez. Se der certo, será um grande feito", observa João Emanuel.

 

No seu primeiro seriado, o autor retoma a parceria com Bernstein que foi tão feliz quando os dois escreveram o roteiro do longa-metragem Central do Brasil, em 1998. Vale dizer que Bernstein estreia na TV logo depois de assinar o roteiro do sucesso Chico Xavier - O Filme. "A narrativa tem muitos ganchos, que são muito fortes, e a dúvida vai prender o telespectador", aposta ele.

 

9 CAPÍTULOS tem a série

 

25 DIAS DE GRAVAÇÃO em Diamantina, onde foram usadas 30 locações

 

160 PESSOAS trabalharam no projeto, entre elas 40 figurantes locais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.