Agora, ele quer ir à Índia de verdade

Com apenas 12 anos, Cadu Paschoal ganha os holofotes como Hari em 'Caminho das Índias'

Patrícia Villalba, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2009 | 01h53

.

Quando soube que interpretaria um dalit na novela Caminho das Índias, o pequeno Cadu Paschoal pensou que seu personagem, Hari, não iria muito longe. "Sinceramente, tia, eu achei que fosse aparecer pouco ou sumir logo, porque as pessoas não entenderiam direito essa coisa de dalit", confessa. "Mas, caramba, me surpreendi. Os capítulos chegavam, e as cenas só aumentavam!"

Com apenas 12 anos, Cadu fez do Hari um dos personagens que mais emocionam os telespectadores da novela. E apesar do protagonista Bahuan (Márcio Garcia) ter sido criado pela autora Glória Perez para mostrar a realidade dramática dos excluídos indianos, foi o pequeno Hari que melhor personificou o olhar dos que são considerados a "poeira sob os pés". "A cena que me deixou mais nervoso era com o Tony Ramos. Eu nem ia falar nada - aparecia varrendo, e ele me mandava sair. Cheguei no Projac passando mal..."

Filho de um motorista de ônibus e uma dona de casa, Cadu é ator desde os 5 anos e tem três peças de teatro e um filme (O Guerreiro Didi e a Ninja Lili, 2008) no currículo. Por causa do papel na novela, que conseguiu ao vencer um teste, virou a sensação da escola onde cursa o 7º ano, em São Gonçalo, no Rio. "No início, foi uma febre. Vinha até gente de outras escolas me conhecer. Agora está mais tranquilo. Eles querem saber tudo sobre os bastidores, como são os atores e tal", conta ele.

Muito feliz com a repercussão que alcançou em sua primeira novela, o pequeno planeja mesmo ser ator quando crescer. Mas, antes, pretende conhecer a Índia de verdade - já que o Hari perambula pela Índia cenográfica do Projac. "O Tony e o Lima (Duarte) contaram que lá é magnífico!"

Na reta final da novela, ele diz esperar que o namoro entre Hari e Anusha (Karina Ferrari) vá adiante. "Pelo que pesquisei, o romance deles é proibido, não pode. Mas tomara que eles consigam namorar e se casem no futuro, sei lá."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.