A solitária do núcleo cômico

Entre o momento em que escrevi e agora, em que você lê esta coluna, Suzi (Maria Clara Gueiros) e Rakelli (Ísis Valverde) fizeram as malas em Beleza Pura e embarcaram rumo a um Vale a Pena Ver de Novo. Pela pressa com que a Globo tem repetido novelas, não vamos esperar muito. Mesmo assim, até que a novela de Antonio Calmon ganhe asas, Elzinha, o biscoito fino de Ciranda de Pedra, continuará a única representante do riso nas novelas atuais. A Favorita tem tudo: mocinha que vira vilã, vilã que vira vítima, político de alma boa e prostituta casadoira. Mas não tem humor. Isso é quase uma surpresa, numa novela escrita por um craque em textos cômicos. João Emanuel Carneiro fez muita gente rir com Da Cor do Pecado e Cobras & Lagartos, mas agora optou por segurar a mão. Tudo bem que o horário das 9 exige mais contenção, mas não precisava arrancar de vez o riso do nosso rosto.Pelo jeito, havia intenção de criar um núcleo de humor no cafofo da Cilene (Elisângela). Mas as garotas de vida airada parecem apenas a versão baby doll da família da Mamushka (Rosi Campos e seus filhos bonitões, em Da Cor do Pecado). A não ser que a graça esteja em ver quatro prostitutas bonitas fazendo a faxina do sobradinho...O triângulo Céu-Orlandinho-Halley só rende algumas risadinhas quando aparece a avó (Suely Franco) - mas mesmo essas cenas estão se tornando repetitivas. É preciso reconhecer que o trio pansexual de Duas Caras, chefiado por Bernardinho (Thiago Mendonça), era mais agitado. Na Favorita, a caipira assanhada e o gay (mal) enrustido são castigados com uma castidade de convento.O humor apareceu em algumas cenas de Donatela (Cláudia Raia) e Augusto César (José Mayer). Pode ter sido por acaso: a reunião de ufólogos e a chegada de Donatela, atrás de tremendos óculos escuros à noite, na mata, só podem ser piada. Escolada em ritmo de humor, Cláudia Raia passou a dar o tom cômico à cena. O problema é que, até dois dias atrás, Donatela apanhava mais que cachorro de pobre para despertar pena no público. Agora, querem que a gente ria da mocinha?*** No quesito Sotaque Desaparecido, Osmar Prado deu uma goleada em Deborah Secco. Em Ciranda de Pedra, o italiano gritão Cícero fala normalmente assim que se fantasia de mendigo. Um fenômeno da fonoaudiologia. e-mail: mvianinha@hotmail.com

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.